Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Por racismo, Hungria e Bulgária terão jogos com portões fechados

Zurique (Suíça)

A Fifa notificou nesta terça-feira que as seleções da Hungria e da Bulgária não terão a presença de suas torcidas no próximo compromisso pelas Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo de 2014. Atos de racismo de torcedores dos dois países motivaram a punição às federações nacionais, que também terão de pagar uma multa. O comitê disciplinar da entidade máxima do futebol se reuniu em novembro para analisar os casos.

Em 15 de agosto de 2012, em amistoso realizado na capital húngara, Budapeste, com Israel, torcedores da seleção local cantaram músicas antissemitas, além de terem exibido símbolos ofensivos nas arquibancadas.

A Federação de Futebol da Hungria, que admitiu e lamentou o comportamento de parte de seus torcedores, não poderá receber público na partida diante da Romênia, em 22 de março, pelo grupo D das Eliminatórias Europeias para a Copa. Uma multa de 40 mil francos suíços (cerca de R$ 88 mil) também foi imposta pela comissão disciplinar da Fifa.

AFP
Dinamarquês e negro, Mtiliga foi alvo de racismo
No caso búlgaro, as ofensas aconteceram contra a Dinamarca, em jogo das Eliminatórias, e foram direcionas a um jogador: Patrick Mtliga, do Nordsjaelland. O zagueiro, nascido na capital do país escandinavo, Copenhague, é filho de mão dinamarquesa e de pai tanzaniano, e é negro.

Depois de entrar em campo, no nono minuto do segundo tempo, Mtiliga foi alvo de xingamentos racistas quando tocava na bola. Apesar do pedido da arbitragem e dos delegados oficiais da partida – houve anúncio pelo sistema de som do estádio ainda no meio do segundo tempo –, o comportamento dos torcedores prosseguiu até o final dos 90 minutos.

Além disso, fogos de artifício foram atirados no gramado durante o primeiro tempo. A comissão disciplinar da Fifa decidiu multar a federação búlgara em 35 mil francos suíços (aproximadamente R$ 77 mil), além de impor um jogo com portões fechados. A seleção nacional não terá torcida contra o time de Malta, em 22 de março.

A Fifa ainda destacou que atitudes racistas e discriminatórios de qualquer natureza não são tolerados e que as federações nacionais são responsáveis, independentemente de culpa, pelo comportamento de seus torcedores. As punições, de acordo com o código disciplinar da entidade, podem chegar até mesmo a perda de pontos e desqualificação de competições.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade