Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Red Bull se inspira em Vettel para virar potência no futebol europeu

Edoardo Ghirotto, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Três títulos mundiais consecutivos e a consagração como o mais jovem campeão da história da Fórmula 1. A rapidez com que o alemão Sebastian Vettel conduziu a Red Bull ao topo do mundo no automobilismo serve como inspiração para a franquia repetir o mesmo sucesso em outras modalidades. No futebol, a empresa ainda engatinha, mas já se anima com os resultados apresentados em Salzburgo, a sua sede na Áustria.

Administrados pela companhia austríaca de bebidas energéticas, os clubes também se espalham por Brasil, Gana, Alemanha e Estados Unidos – este sendo o principal da franquia, com Thierry Henry e Juninho Pernambucano no elenco. Enquanto os norte-americanos investem pesado em estrelas com vasta bagagem no futebol, os austríacos tentam elevar a popularidade da equipe com a vaga na fase classificatória para a Liga dos Campeões.

Ao lado dos compatriotas André Ramalho e Alan, o brasileiro Rodnei se apóia no sucesso obtido nas pistas da F-1 para alcançar as mesmas glórias nos gramados. “Gosto de assistir às provas e ver o Vettel é uma inspiração. Eles até reúnem os pilotos campeões em uma festa em Salzburg e fazem excursões para acompanhar os Grand Prix na Europa. Eu não tive a chance de ir a nenhum, mas eles sempre tentam criar este contato”, diz o defensor de 27 anos.

Leia mais: Intercambista equipara métodos de trabalho do RB Brasil aos do Barça

Leia mais: Após vencer racismo, Rodnei sonha com Champions no Red Bull Salzburg

As ambições do brasileiro, porém, não serão alcançadas facilmente. Apesar de o Red Bull Salzburg ocupar a vice-liderança no Campeonato Nacional, o clube ainda enfrenta a animosidade dos torcedores por ter ‘apagado’ a sua história. Adquirida pela empresa em 2005, a equipe abdicou da tradição presente desde a sua fundação, em 1933, e agora tenta motivar os austríacos a abraçarem o time com as conquistas dentro de campo.

Através de um marketing esportivo que ainda dá os seus primeiros passos no país, a diretoria do Red Bull busca associar a imagem de esportistas vitoriosos em outras modalidades com o futebol. A equipe até promove vendas de materiais ligados a esportes radicais e aos pilotos de sua escuderia na loja oficial do clube, localizada em seu próprio estádio. A iniciativa é recente e as arquibancadas ganham até bandeiras gigantes para disfarçar os espaços vazios em dias de jogos oficiais.

“O nosso marketing ainda está engatinhando e a torcida fica brava quando chega alguém e investe desse jeito. Tudo precisa ser conversado e eu não sei dizer se essa forma encontrada por eles é a correta. O futebol precisa mudar quando não dá certo e as coisas precisam caminhar de um jeito. A antipatia fica para os rivais que nos encaram como o time a ser batido dentro do campeonato”, comentou Rodnei.

Montagem sobre fotos AFP
O alemão Sebastian Vettel e o espanhol Jonathan Soriano são as esperanças do marketing do RB Salzburg
A favor do Red Bull pesa o fato de o futebol austríaco não apresentar o mesmo fanatismo visto no Brasil. Ao invés de escolherem times de fora de sua cidade para torcer, os moradores de Salzburgo acompanham apenas as agremiações formadas no município e já demonstram interesse em adquirir as camisas de atletas com fama internacional. O espanhol Jonathan Soriano, convocado para a seleção da Catalunha na despedida do técnico Johan Cruyff, e o senegalês Sadio Mané, titular na equipe nacional de seu país, são duas das grandes esperanças do clube para deixar de ser apenas mais um tímido coadjuvante no Velho Continente.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade