Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Intercambista equipara métodos de trabalho do RB Brasil aos do Barça

Edoardo Ghirotto, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Tudo começou através de uma publicação feita pela empresa Red Bull na internet. A franquia havia acabado de inaugurar um novo projeto no Brasil e buscava jovens talentos para formar os seus primeiros times de base e profissional. Após avaliar aproximadamente cinco mil jovens em peneiras realizadas em Brasília e Jarinu, o clube mantido pela companhia austríaca revelou o atacante André Ramalho para o futebol e colocou em prática o seu principal ideal: o intercâmbio de atletas para o exterior.

Depois de atuar nas categorias de base do Red Bul Brasil, sediado em Campinas, André Ramalho chegou até a reforçar o time profissional antes de participar da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2011. Escolhido a dedo por um diretor austríaco que acompanhava a equipe, o jogador de 20 anos foi encaminhado para o clube de Salzburgo e pôde notar as semelhanças presentes entre os métodos de trabalho utilizados pelos europeus no interior de São Paulo.

“Eu fui avisado deste intercâmbio com uns dois dias de antecedência. Cheguei à Áustria com neve e tudo era muito novo. A alimentação e o idioma eram diferentes, mas o estilo de jogo dos treinos só variava em uma coisa ou outra. O fato de eu ter passado pela base do Red Bull brasileiro me ajudou muito na hora de iniciar a carreira na Europa”, conta o jogador, que teve a sua primeira experiência no futebol justamente no time de Campinas.

Leia mais: Red Bull se inspira em Vettel para virar potência no futebol europeu

Leia mais: Após vencer racismo, Rodnei sonha com Champions no Red Bull Salzburg

Divulgação/Red Bull
André Ramalho iniciou o projeto de intercâmbio entre o Red Bull Brasil e o Salzburg após se destacar na Copinha
Através de um estudo feito por seus investidores, o Red Bull Brasil moldou a sua estrutura com base nos grandes da Europa e inovou ao copiar os modelos de treinamentos utilizados em outras equipes de ponta. “O clube tem um diferencial europeu. Os treinos são baseados nos do Barcelona e trabalham o jogo de posse de bola e toque rápido em campo curto. Os jogadores que saem daqui não demoram a se adaptar na Europa e este é o diferencial da base”, emenda André Ramalho.

O trabalho desempenhado com os jovens vem surtindo efeito nos últimos anos. A equipe deixou a quarta divisão estadual para brigar por uma vaga na elite do Paulistão. Porém, uma sequência ruim na reta final da última edição do torneio deixou os 'Toro Lokos' sem a classificação. O saldo positivo ficou por conta da primeira convocação do clube para a Seleção: o goleiro Carlos Miguel reforçou o time canarinho sub-17 na Copa 2 de Julho, na Bahia.

O restante da base também se manteve em atividade ao longo da temporada e correspondeu ao investimento feito no interior de São Paulo. O sub-15 foi até a Áustria para disputar o The Next Generation Trophy e voltou com o vice-campeonato pra o Brasil. Sob a supervisão do diretor global de futebol da Red Bull, o francês Gerard Houllier, a equipe sub-18 de Salzburgo também viajou até o Centro de Formação de Atletas, em Jarinu, e interagiu com as demais promessas durante um período de testes.

Divulgação/Red Bull
A equipe sub-15 do Red Bull Brasil ficou com o vice-campeonato do The Next Generation Trophy, disputado na Áustria
Já André Ramalho deixou os juniores do Red Bull Salzburg e se juntou ao elenco principal. Ao mesmo tempo em que vive a expectativa de chamar a atenção do técnico Roger Schmidt e ser relacionado para os próximos jogos no Campeonato Austríaco, o atacante também se mostra ressabiado com relação ao fraco apoio vindo das arquibancadas. Enquanto os torcedores desconfiam das intenções da empresa, o atleta acredita que a diretoria trabalhará firme para preencher a lacuna deixada nos dias de jogos oficiais.

“A torcida é fundamental para o atleta e funciona como um fator extra. Os times novos do Brasil encontram dificuldades com isso por causa da tradição e do número alto de equipes no País. Mas eu acho que o Red Bull alcançará cada vez mais apoio ao cumprir suas metas. Se nós não temos o torcedor nas arquibancadas, a diretoria compensa por outro lado. Ela traz jogadores de nível e dá toda a estrutura para o time ir subindo de divisão e alcançando novas classificações”, ponderou.

Diante da missão de ajudar o Red Bull Salzburg a alcançar a classificação para a próxima edição da Liga dos Campeões, André Ramalho acompanhará à distância o desempenho da equipe brasileira na Série A2 do Paulistão. O time já oficializou a contratação dos experientes Denílson, Triguinho e Fernandes para esta temporada e contará com o técnico Hemerson Maria no banco de reservas. A estreia será no dia 27 de janeiro, contra o tradicional Juventus, no Moisés Lucarelli, em Campinas.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade