Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Após briga, Assunção abraça Valdivia e chora em adeus ao Palmeiras

William Correia São Paulo (SP)

Após ir às lágrimas explicando o insucesso na tentativa de permanecer no Palmeiras, Marcos Assunção voltou a chorar nesta segunda-feira. O volante foi à Academia de Futebol se despedir de jogadores e funcionários, fez um discurso aplaudido de pé pelos atletas e até abraçou Valdivia, com quem chegou a brigar em meio à luta contra o rebaixamento no Brasileiro.

“Nós nos abraçamos e lhe desejei boa sorte, assim como ele para mim”, contou Valdivia, minimizando o desentendimento ocorrido na semana da partida que selou a queda, contra o Flamengo, em 18 de novembro. Na época, Assunção, capitão do time e que jogava graças a infiltrações no joelho direito, acusou o meia de falta de empenho para ser recuperar de lesão no joelho esquerdo e precisou ser apartado no departamento médico para não agredir o colega.

“Tivemos uma discussão de grupo, normal, como tem em outros times. Mas aqui sempre vaza”, lembrou o Mago, que terminou o Brasileiro sem fazer gol nem dar assistência e não joga desde 6 de outubro, ficando fora da reta final da campanha. “Logo em seguida conversamos. Eu, pelo menos, não tenho mágoa nem receio de olhar para a cara do Assunção”, assegurou.

Mesmo sem contrato desde o dia 31, Assunção treinou normalmente com o elenco até este domingo, enquanto Valdivia, com vínculo até 2015, só se apresentou nesta segunda-feira. O fato foi citado pelo volante, como insinuação de falta de empenho, mas não afetou o chileno.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Assunção voltou a chorar em sua despedida na Academia de Futebol e foi aplaudido de pé
“Não acho que ele tenha me ‘cutucado’. A maioria dos jogadores não sabia porque demorei a me apresentar e o que eu fazia lá”, afirmou o camisa 10, que argumenta estar treinando há 20 dias, mesmo nas férias, em uma clínica de Santiago.

Briga com Valdivia à parte, Marcos Assunção, que estava no Palmeiras desde maio de 2010 e si com 31 gols e 145 jogos pelo clube, chorou bastante durante toda a sua última passagem pela Academia de Futebol segundo os profissionais do clube – o volante concedeu entrevista no fim da manhã e não deu as caras para a imprensa no centro de treinamento. Suas palavras foram de agradecimento, apoio e torcida pela volta à primeira divisão nacional.

“Foi uma despedida emotiva. Ele é um cara bacana, legal. Desejo que possa achar uma equipe e com certeza vai achar rápido. Gostaria que fosse aqui no Palmeiras, mas tomara que ele arrume um time de ponta como merece”, falou Valdivia sobre o capitão do Palmeiras campeão da Copa do Brasil em julho.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade