Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Com responsabilidade de ídolo, Barcos promete novos 28 gols em 2013

Edoardo Ghirotto, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Antes de pensar em ser campeão da Copa do Brasil ou viver o drama de ser rebaixado para a segunda divisão novamente, o Palmeiras viveu em 2012 a expectativa gerada pela contratação de Hernán Barcos. O argentino veio da LDU de Quito no início da última temporada e foi ousado ao prometer 27 gols em sua apresentação. Ao cumprir com sua palavra e superar a marca anterior, o atleta alcançou status de ídolo e voltou a projetar um novo recorde no Palestra Itália: 28 gols em 2013.

A nova meta traçada pelo jogador corresponde ao número alcançado nos jogos disputados no ano passado. Em sua primeira partida com a camisa alviverde, Barcos estufou as redes na vitória por 3 a 0 sobre o Ituano e viu o então técnico Luiz Felipe Scolari garantir um churrasco caso a promessa fosse cumprida até o fim do ano. A péssima campanha no Brasileiro, contudo, deixou o desempenho do centroavante em segundo plano e os 28 gols anotados não renderam qualquer tipo de comemoração.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Depois de cumprir com a sua promessa em 2012, Barcos quer anotar mais 28 gols nesta temporada
Sem lamentar os tropeços na última edição do Nacional, Barcos foi direto ao ser questionado sobre seu novo objetivo. “Quantos eu fiz em 2012?”, indagou. Os jornalistas presentes na sala de imprensa deram a resposta e o atacante completou: “Então eu farei 28 gols em 2013”. A autoconfiança apresentada também é fruto da alcunha de ídolo alcançada com o seu rendimento nos campeonatos já disputados pelo Palmeiras.

“Eu comecei muito bem quando chegue aqui. Eu sei que tenho uma responsabilidade muito grande e que as pessoas depositam muita esperança em cima de mim. Estou muito tranquilo e todos estão vendo o que eu estou fazendo. Gosto deste desafio e continuo muito contente por ser um referencial no Palmeiras”, discursou o argentino, que ainda fez questão de agradecer aos demais jogadores por ajudarem em sua adaptação.

“Não posso esquecer do grupo. Um jogador sozinho não faz nada. Eu sou ídolo do Palmeiras hoje porque todos me ajudaram muito”, emendou Barcos, ciente de que a sua tarefa será mais complicada em 2013. Se o elenco alviverde facilitou a sua missão na última temporada, as seguidas dispensas e a falta de reforços deixaram Gilson Kleina com poucas opções no plantel. Além disso, Valdivia segue como uma incógnita e poderá obrigar o argentino a deixar a sua posição de origem para criar novas oportunidades de gol para o Verdão.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade