Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Gobbi é contra mudar estatuto para viabilizar candidatura de Sanchez

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

O mandato de Mário Gobbi no Corinthians se estende até 2014, mas já há um debate nos bastidores do clube em relação a uma possível mudança no estatuto para viabilizar uma eventual candidatura de Andrés Sanchez. Pelas regras atuais, o ex-dirigente tem de aguardar até a eleição seguinte para tentar ocupar novamente o cargo máximo do Alvinegro, o que é apoiado pelo atual mandatário.

“O que se discute é se a quarentena para quem foi presidente deve ser mantida em seis anos, como está hoje, ou se deve diminuir para três. A emenda que aprovou a regra de seis anos foi de autoria minha, quando o novo estatuto foi feito. Não posso desdizer o que eu disse há quatro anos”, ponderou o atual dono do posto.

Desde que foi reformulada, a lei corintiana proíbe reeleição e ainda prevê que, ao deixar o cargo, um presidente fica automaticamente fora de dois pleitos. Sanchez já cumpriu o veto em uma eleição, quando apoiou o vencedor Gobbi. Agora, há no clube um movimento para viabilizar a volta do ex-diretor de Seleções à presidência corintiana em 2014.

“Assim como todo membro do Conselho, o Andrés tem o direito de defender o ponto de vista dele. É um assunto institucional, não se trata de grupo, cada um defende a tese que achar melhor”, acrescentou Gobbi, que não poderá se candidatar na próxima temporada.

O presidente lembrou que uma mudança no regulamento teria de ser submetida ao crivo dos demais colaboradores do clube. “Entendo que o período de seis anos é salutar, mas quem decide não sou eu e nem a diretoria executiva. Em primeira instância, é o Conselho Deliberativo e, em segunda e última, é a Assembleia Geral”, encerrou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade