MMA/Bastidores - ( )

Cafu monta academia em casa para aprender MMA com árbitro do UFC

Helder Júnior e Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

O aposentado Cafu agora usa as mãos que levantaram o troféu da Copa do Mundo de 2002 para desferir socos. Os pés, que tinham dificuldades para realizar cruzamentos no início de carreira, hoje servem para conectar chutes certeiros em seus sparrings – e não mais em bolas de futebol. Ao invés do gramado, ele se movimenta em um ringue, devidamente instalado dentro de casa. Com um extenso cartel como lateral direito, o ex-jogador decidiu recorrer a Mario Yamasaki (primeiro árbitro brasileiro da história do UFC) para aprender a lutar MMA em sua residência.

“É mais por lazer, diversão, condicionamento físico”, sorriu Cafu, em entrevista concedida à Gazeta Esportiva.net, negando a intenção de seguir carreira em outro esporte após abandonar o futebol. “O Marião (Yamasaki) é gente finíssima, nosso vizinho, um cara bom, de grande índole. De vez em quando, a gente faz uns treininhos de MMA para manter a forma”, acrescentou o ex-jogador.

Veja também:
Yamasaki: de malandro e caminhoneiro a árbitro do UFC
Árbitro de MMA revela que Pride teve lutas forjadas
Yamasaki recorda brigas dos primórdios do UFC
Fotos: Mario Yamasaki visita a redação da GE.net
 Vídeo: Yamasaki explica polêmica com Erick Silva
 Vídeo: Árbitro do UFC lembra passado de malandro
 Vídeo: Yamasaki fala sobre lutas armadas no MMA

Criado no violento bairro paulistano do Jardim Irene, que homenageou no último título mundial conquistado pela Seleção Brasileira, Cafu conheceu Yamasaki na nobre região de Alphaville, em Barueri. O árbitro do UFC foi convidado para jantar na casa do vizinho, um grande fã de MMA, por intermédio de um amigo em comum. “Começamos a conversar naquele dia. O Cafu é um atleta excelente, que gosta de luta, e me pediu para ajudá-lo a montar uma academia em casa, dando aulas de jiu-jitsu e muay thai. Isso será bom para ele manter aquele grande preparo físico dos tempos de jogador”, disse o professor.

Djalma Vassão/Gazeta Press
As mãos que ergueram a Copa do Mundo agora servem para desferir socos; Cafu tem academia de MMA em casa
O espaço dedicado ao MMA na casa de Cafu não se resume à academia. “Ele tem até um cinema que a gente usa para assistir ao UFC de vez em quando”, contou Mario Yamasaki, árbitro de boa parte das lutas da organização. As transmissões de combates de campeões como Anderson Silva são inspirações para o aluno. “Vemos as lutas até de madrugada. Incorporamos esse evento maravilhoso à nossa rotina. A academia também está sendo montada agora, com tudo praticamente pronto. Estou esperando o Mario me dar direções para saber o que mais tenho de colocar lá dentro”, comentou o ex-lateral de São Paulo, Zaragoza, Juventude, Palmeiras, Roma e Milan.

Segundo Cafu, a sua ligação com o MMA não irá além da exibição de combates no cinema caseiro e da instalação da academia. Está fora de cogitação trocar a antiga tarja de capitão no braço por um cinturão de campeão no corpo. “Não tenho pretensão alguma de lutar de verdade”, avisou, definindo suas lutas “de mentira” como um programa familiar. “Meus filhos também treinam. É algo que me faz ficar mais próximo deles. Acho legal. Todo mundo em casa aderiu. Mas estou sentindo muita diferença no preparo físico. Não há comparação com o que eu tinha alguns anos atrás”, garantiu aquele que foi famoso por correr e lutar bastante dentro de campo mesmo quando veterano.

Se depender da disposição de Mario Yamasaki, Cafu logo estará apto a readquirir a fama de velocista que teve como lateral direito. “Vou ajudá-lo a ter um grande condicionamento físico, sem dúvida. Se ele voltasse a jogar futebol, seria muito melhor do que alguns que estão atuando por aí. Sempre achei o Cafu um profissional excelente”, tietou o especialista em MMA.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Técnico do amador Cafu, árbitro do UFC pretende selecionar 20 lutadores profissionais para o "time Yamasaki"
Yamasaki tem experiência para cumprir a sua palavra e transformar Cafu em um grande lutador amador. Membro de uma família de tradição no judô, o descendente de japoneses se mudou para os Estados Unidos quando jovem e virou professor de jiu-jitsu. Encontrou-se profissionalmente como árbitro de UFC, quando a organização ainda não tinha alcançado o prestígio atual. Para aproveitar a expansão do MMA no Brasil, retornou ao País após mais de duas décadas, deu início ao projeto de abrir uma rede de academias (profissionais, e não caseiras), apostou em empresas de suplementação alimentar e passou a ministrar cursos e a promover eventos esportivos.

O empreendedor Mario Yamasaki não tem apenas Cafu como parceiro famoso em seu círculo de negócios. Ele também dá aulas para o ator Fábio Villa Verde, que interpreta um técnico de futebol no remake da novela “Carrossel”, no SBT. “Assim que abrirmos mais academias, novas pessoas virão treinar. Não serei aquele professor casca-grossa, até porque só quero o bem-estar de quem está praticando a arte marcial. Vamos trabalhar não apenas o corpo do pessoal, mas a mente também”, propagou. Fora dos ringues e octógonos, o árbitro de UFC ainda conta com uma inusitada sociedade com a modelo e apresentadora Sabrina Sato para manter uma de suas academias na Zona Oeste de São Paulo. “Não nos conhecíamos. Os investidores quiseram usar os nossos nomes no negócio, e eu gostei. Criamos uma academia high tech, com menos máquinas e mais exercícios funcionais. Estamos seguindo uma tendência que eu trouxe dos Estados Unidos.”

Montagem sobre fotos Divulgação
Sócio de Sabrina Sato, Yamasaki estimula famosos como o cantor Bruno "KLB" e o ex-zagueiro Gustavo a lutarem
Mas os lutadores amadores como Cafu e Fábio Villa Verde não são o único alvo do árbitro do UFC. Uma de suas metas no Brasil é formar o “time Yamasaki”, promovendo novos atletas para a organização que o emprega. “Vou fazer uma seletiva e escolher os 20 melhores para a minha equipe. Para estes profissionais, faremos treinos em horários específicos, com todo um suporte por trás. Eles terão um manager para organizar os treinamentos, mas também técnicos de jiu-jitsu, judô, muay thai, um preparador físico, um nutricionista, um fisioterapeuta, um psicólogo esportivo”, listou, assegurando que não estará dentro do octógono caso um de seus pupilos faça sucesso no MMA. “Não gostaria de arbitrar as lutas deles porque não seria ético. Há vários outras pessoas capacitadas para isso. No nosso esporte, não existe problema em um árbitro brasileiro trabalhar em um combate de um lutador brasileiro, por exemplo, como não pode ocorrer no futebol. Só que, sendo do mesmo time...”, explicou.

Ao menos por enquanto, Cafu não pensa em integrar a relação dos primeiros 20 lutadores do “time Yamasaki”. Não por falta de preparo físico, segundo o seu técnico. Se ele mudasse de ideia, também não seria pioneiro entre os famosos a começar carreira no MMA. O ex-zagueiro Gustavo, que passou por clubes como Atlético-PR, Palmeiras, São Caetano, Corinthians e Sport, pratica o esporte e até participa de competições de jiu-jitsu. Já o cantor Bruno Scornavacca, da banda KLB, estreou na modalidade com vitória no final do ano passado. O artista finalizou Diego “Ramones” Mercúrio no segundo round de combate pelo Fair Fight MMA, no Via Funchal, e comemorou como se levantasse um troféu de Copa do Mundo.

MARIO YAMASAKI É CORINTIANO FANÁTICO
Divulgação

Hoje professor de MMA do ex-jogador Cafu, o árbitro Mario Yamasaki é um grande admirador de futebol. Ele foi a todos as partidas que o Corinthians disputou no Pacaembu na última Copa Libertadores da América. Também levou os filhos Sofia, de nove anos, e Lucas, de cinco, para entrarem em campo com o seu time de coração em um clássico contra o Palmeiras.

“O pior é que já fui palmeirense na infância. Não sei nem o motivo, já que a minha mãe é corintiana e o meu pai, são-paulino. Passei a torcer pelo Corinthians em 1977, quando o time foi campeão paulista depois de 23 anos. Gostei tanto que a paixão ficou até hoje”, contou.

Apesar de se dizer avesso à violência do futebol, o especialista em MMA não consegue ficar muito tempo longe do esporte mais praticado no Brasil. “Cogitei até ir ao Japão, terra dos meus antepassados, para acompanhar o Corinthians no Mundial. Mas não daria tempo. Seria muito perrengue”, explicou Yamasaki.

Estimulando o filho caçula a ser lutador, o árbitro está com dificuldades para fazer com que Lucas herde sua segunda paixão. “Meu filho diz que torce por Santos, Corinthians, Barcelona e Estados Unidos. O Santos é pelo Neymar, o Corinthians foi motivado por mim, o Barcelona está na moda com o Messi e os Estados Unidos porque moramos lá. Mas creio que ele será santista. Ele adora o Neymar”, sorriu Mario Yamasaki.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade