MMA/UFC - ( - Atualizado )

Recuperado, local Sarafian controla ansiedade por estreia no UFC

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

Lesionado, Daniel Sarafian não pôde participar do UFC 147. Desta forma, o lutador, revelado em um reality show, fará a primeira luta no campeonato justamente em São Paulo, sua cidade natal, o que serve de trunfo para controlar a ansiedade nos dias que antecedem o combate contra o norte-americano C.B. Dollaway.

“São Paulo é um lugar especial. Aqui, posso dormir na minha cama, manter os meus horários, fazer as coisas com meu carro e ainda tenho a minha galera. Estou na mesma rotina de sempre e isso ajuda a controlar o psicológico”, disse o brasileiro, sem esconder uma certa ansiedade.

“Existe um pouco de nervosismo, aquela adrenalina. É o tipo de coisa que, se não tiver, acaba fazendo falta. Mas está estável, estou conseguindo cuidar do lado emocional tranquilamente. O ruim é quando sai do nosso domínio”, declarou o lutador de 30 anos.

Nascido na capital paulista, ele começou a praticar artes marciais para emagrecer e parar de sofrer bullying dos amigos de infância por estar acima do peso. Com o duelo de sábado marcado para o Ginásio do Ibirapuera, Sarafian certamente será observado por alguns de seus antigos ‘detratores’.

“Foi uma evolução grande. Emagreci porque muitos meninos mexiam comigo. Eu já era briguento, era aquele gordinho bravo. Mexiam comigo e eu já devolvia. Precisava perder peso e resolvi fazer isso lutando. Fui buscar o esporte dessa maneira e agora estou aqui”, disse o brasileiro, orgulhoso.

Wander Roberto/Inovafoto
Recuperado de lesão no braço, Daniel Sarafian treina para enfrentar o norte-americano C.B. Dollaway em sua estreia
Ironicamente, Sarafian será o único representante local no UFC São Paulo, algo lamentado pelo próprio atleta. “Estamos em uma cidade com ótimos lutadores e poderíamos ter mais, sim. Estou vestindo a camisa agora e espero que outros atletas também tenham a sua vez”, afirmou.

Sarafian se classificou para a final do reality show The Ultimate Fighter, mas sofreu uma lesão no bíceps do braço esquerdo e precisou passar por intervenção cirúrgica. A poucos dias de finalmente estrear no UFC, ele se diz completamente recuperado e minimiza o tempo de inatividade.

“Já passei por isso antes de ficar quase um ano parado e lutar de novo. Só é prejudicial se você achar que pode ser. Na minha cabeça, nada mudou e estou me sentindo como se tivesse lutado há três ou quatro meses. Quando o médico me liberou para treinar, já estava pronto para marcar a luta”, afirmou.

 

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade