Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Kleina cita internação de Maikon Leite como argumento por reforços

William Correia São Paulo (SP)

Não bastasse Valdivia ter faltado nos quatro primeiros dias de pré-temporada, no domingo à noite Maikon Leite foi internado e ficou sem treinar até quinta-feira por conta de uma intoxicação alimentar. Surpresa que serve para Gilson Kleina reforçar os perigos que o Palmeiras corre com um elenco que, atualmente, só tem 18 jogadores de linha à disposição.

“É necessário contar com situações como a do Maikon, que saiu da concentração com suspeita de apendicite. É um grande atleta que foi para o hospital. Espero que não aconteça mais, mas essas coisas acontecem”, apontou o treinador, ressaltando sempre que não se pode pensar somente nos 11 titulares.

“Temos uma base muito boa, enalteço a qualidade de quem ficou. Porém, o futebol precisa de elenco, reposição. Não tem que vir achando que é titular, mas sabendo que, quando ele tiver oportunidade, não perdemos padrão de jogo e nível técnico”, prosseguiu o treinador, que abriu mão de 22 jogadores e, até agora, só teve o goleiro Fernando Prass e o lateral direito Ayrton contratados e os volantes Wendel e Souza voltando de empréstimo.

“Temos que entender que o campeonato praticamente já começou. E dos 18 jogadores que estão aí, o João Denoni, o Wesley, o Patrick Vieira, o Luan e o Valdivia, que estavam machucados”, afirmou o comandante, que estreia no Campeonato Paulista no próximo domingo, diante do Bragantino, no Pacaembu.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Atacante ficou sem treinar por conta de intoxicação alimentar e virou exemplo dos problemas de um elenco enxuto
No momento, além das dificuldades financeiras e uma possível inabilidade dos dirigentes, o maior entrave para contratações tem sido o momento político do clube. com aval do presidente Arnaldo Tirone e do Conselho Deliberativo, o Conselho de Orientação e Fiscalização (COF) recebeu poder apara avaliar e até vetar qualquer reforço até as eleições presidenciais do clube, no dia 21.

“Neste momento, isso não atrapalha só o meu trabalho, mas o futuro das nossas competições. Mas é uma coisa estatutária, não compete a mim. O Palmeiras tem 98 anos, não é o Gilson Kleina que precisa entrar nesse mérito. Respeito a política e a história do clube. Mas o que estamos pregando é a necessidade de ter a reposição para um elenco qualificado”, insistiu Kleina.

O técnico pede a contratação de zagueiros, já que só tem Henrique e Mauricio Ramos à disposição – teve que promover Marcos Vinícius do time B para compor os treinos –, um lateral esquerdo para disputar posição com Juninho, um meia e atacantes. O gerente de futebol César Sampaio deseja trazer nesta semana três reforços, que podem ser Torres, do Millonarios, Márcio Azevedo, do Botafogo, e Riquelme, ex-Boca Juniors.

Enquanto espera por novidades, o treinador nem cogita arrependimento por ter liberado cinco atleta para disputar a Copa São Paulo de Futebol Júnior. “Vejo com bons olhos a Copinha para o Vinícius, o Luiz Gustavo, o Bruno Oliveira, o Bruno Dybal e o Diego. Não tem cabimento eles ficarem o ano inteiro só treinando. A análise fria é feita no jogo, quando entra o lado emocional. E torço para tê-los só depois do dia 25, até porque estão fazendo um grande trabalho com o Narciso como técnico”, elogiou Kleina.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade