Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Kleina confirma escalação, treina fundamentos e Souza é 'provocado'

William Correia São Paulo (SP)

O torcedor que acompanhar a estreia do Palmeiras no Campeonato Paulista já pode saber que time entrará em campo contra o Bragantino às 17 horas (de Brasília) deste domingo. Gilson Kleina já confirmou que os titulares no Pacaembu serão os mesmos que venceram o São Caetano e empataram com o Juventus em jogos-treino e praticou todos os fundamentos possíveis em quase duas horas de atividades até o início da noite desta sexta-feira. E sobrou para Souza, provocado pelo goleiro Bruno.

Antes mesmo do treino, já não havia dúvidas sobre a escalação. Em sua entrevista coletiva, o técnico confirmou que a equipe começará o Estadual com Fernando Prass; Ayrton, Henrique, Mauricio Ramos e Juninho; Márcio Araújo, Souza, Wesley e Patrick Vieira; Luan e Barcos. É a base que encontrou durante a pré-temporada.

O treinador não poderá escalar Valdivia, ainda com dores no tornozelo esquerdo, e deixará João Denoni na reserva por ainda não estar completamente recuperado de lesão no ombro direito, mas garante a titularidade do volante ao longo da temporada. Também estão vetados o meia Tiago Real, com luxação no ombro direito, e o lateral esquerdo Fernandinho, que teve o joelho esquerdo operado em agosto.

Em relação ao ano passado, além dos recém-contratados Fernando Prass e Ayrton, uma das novidades é Souza, volante que volta de empréstimo do Náutico. E ele dividirá com Ayrton a função de substituir Marcos Assunção, hoje no Santos, nas cobranças de falta. Quesito que treinou bastante nesta sexta-feira em meio a brincadeiras.

Djalma Vassão/Gazeta Press
O goleiro Bruno provocou bastante não só Souza, mas também Ayrton, outro responsável por bater faltas
Amigo do meio-campista, Bruno fazia graça a cada cobrança errada do colega. “Quer que eu empurre o gol para você acertar?” foi a frase mais dita pelo reserva de Prass, descontraindo o ambiente também brincando quando Ayrton fez a bola passar por cima da barreira fixa de madeira e balançar as redes. “Essa barreira abriu, pô! Não valeu”, sorriu o goleiro. “Contra nós é um leão, né?”, disse ao lateral após um erro, lembrando que o agora colega fez o gol do Coritiba na final da Copa do Brasil vencida pelo Palmeiras.

Enquanto isso, no outro gol do gramado principal da Academia de Futebol, Barcos, Wesley, Henrique e Mazinho treinavam cobranças de pênalti contra o goleiro Raphael Alemão. No campo ao lado, Mauricio Ramos, Leandro Amaro e Marcos Vinícius tentavam cortar os cruzamentos de Wendel e Mauricio Ramos tendo apenas o atacante Caio para marcar.

Antes dos treinos específicos, Kleina comandou um treino tático. Colocou seu time titular contra uma equipe formada por Bruno; Wendel, Leandro Amaro, Marcos Vinícius e Fabinho Capixaba; João Denoni, Mazinho, Patrik e Índio; Maikon Leite e Caio, cobrando movimentação intensa de todos.

Inicialmente, o campo foi dividido em três partes, com disputas setorizadas: dois atacantes enfrentavam dois zagueiros nas proximidades e dentro da grande área, enquanto os laterais e meio-campistas duelavam quando a bola ficava na parte central do gramado – apenas um deles por vez podia ‘invadir’ o setor da zaga.

Quem se mostrou à vontade com a atividade foi Barcos, que podia descansar enquanto a bola ficava no meio-campo e, com fôlego quando a tinha nos pés, driblava facilmente Leandro Amaro ou Marcos Vinícius para tentar superar Bruno, o que conseguiu muitas vezes. Até roubando bolas o argentino se destacou. O cansaço bateu quando Kleina fez todos os 20 jogadores de linha se limitarem a jogar no terço central do gramado.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade