Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Sampaio conta ter ouvido de Barcos garantia de permanência em 2013

William Correia São Paulo (SP)

O irmão e empresário de Hernán Barcos, David Barcos, recuou em sua declaração inicial de que o atacante não deveria disputar a Série B do Brasileiro deste ano. Mas o gerente de futebol César Sampaio foi procurar pessoalmente o camisa 9. E ouviu uma nova promessa de permanência no Palmeiras nesta temporada.

“Fui conversar com o Barcos e ele me disse que vale o que ele falou no final de 2012”, contou o dirigente, citando declaração publicada pelo próprio Barcos em 28 de novembro, dez dias após o rebaixamento. Naquele momento, o jogador assegurou que colocava o Verdão como prioridade até em relação à seleção argentina.

“O amor e o carinho que tenho hoje pelo Palmeiras não troco por nenhum clube. Tenho o sonho de jogar a Copa do Mundo e esta é a minha vontade, mas a única forma de eu sair é o Palmeiras receber uma proposta irrecusável. Vou ficar no Palmeiras por amor e por gosta tanto do clube. Estamos juntos e 2013 é nosso. Eu acredito”, disse Barcos na época.

O fato é que esse discurso não convenceu, tanto que até o ex-goleiro Marcos conversou pessoalmente com o jogador lembrando que ratificou sua idolatria ao recusar oferta do Arsenal para disputar e vencer a Série B em 2003. Mesmo assim, a declaração de David Barcos rejeitando a segunda divisão, na quarta-feira, aumentou a apreensão.

Nesta sexta-feira, o centroavante treinou normalmente e teve ainda uma longa conversa com membros da comissão técnica no gramado da Academia de Futebol antes de começar os exercícios físicos. O jogador, porém, tem evitado entrevistas e deixou de falar sobre sua situação nas redes sociais, meio de comunicação que adotou no fim de 2012.

O autor de 28 gols no ano passado tem contrato até o início de 2015 e a esperança do presidente Arnaldo Tirone era de que ele assinasse uma prorrogação até 2016, com aumento salarial. A renovação chegou a ser anunciada pelo dirigente a conselheiros no mês passado, mas nenhum papel foi assinado e até o Conselho de Orientação e Fiscalização (COF) do clube pode vetar um acréscimo nos vencimentos do jogador antes das eleições, no dia 21.

Sampaio, contudo, não acredita que falta vontade ao artilheiro em permanecer, embora lembre que, para sair, é necessário o depósito da multa de cerca de US$ 15 milhões. “O Palmeiras não tem o interesse de disponibilizar o Barcos e ele está feliz com o Palmeiras também. E de maneira alguma a instituição vai se submeter ao empregado”, avisou o gerente de futebol.

A favor do Verdão, está a exposição que deu ao atleta, a ponto de fazê-lo desistir de se naturalizar equatoriano ao ser convocado para a seleção argentina, além de ter despertado o interesse da Fiorentina, por exemplo, logo aos 28 anos após ter defendido equipes de Argentina, Paraguai, Equador, Sérvia e China.

“O Barcos é uma referência real da força da marca do Palmeiras. Ele mesmo disse que não esperava em um ano virar referência até na Argentina. Andou por quase todos os continentes, mas em um ano no Palmeiras apareceu no noticiário do mundo todo, com o mercado europeu já interessado”, lembrou Sampaio.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade