Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Denilson se incomoda com indefinição entre São Paulo e Arsenal

Tossiro Neto Cotia (SP)

Pouco mais de cinco meses separam Denilson da obrigação de, por contrato, retornar ao Arsenal. Mas o volante quer seguir no futebol brasileiro e pede uma definição rápida por parte da diretoria do São Paulo, que publicamente já manifestou interesse em adquirir seus direitos econômicos, porém não o formalizou junto ao clube inglês.

"Começo a temporada incomodado, porque junho está próximo para mim. Se o São Paulo chegasse amanhã me dizendo que eu fui contratado em definitivo, seria uma alegria imensa. Sempre foi minha vontade permanecer no clube. Se deixar para depois, vou ficar incomodado, porque quero estar com a cabeça tranquila para resolver minhas coisas", disse, nesta sexta-feira.

Emprestado ao São Paulo até 30 de junho, seu vínculo com o Arsenal vence no fim de dezembro, com opção de renovação automática se for da vontade dos ingleses. A última conversa (informal) dos dirigentes com o jogador, que não tem empresário, foi no ano passado.

"Não voltamos a conversar. Vou cumprir meu contrato com profissionalismo e espero ficar. Mas gostaria que resolvessem logo essa situação", contou.

Revelado pelo próprio São Paulo, Denilson voltou ao clube no meio de 2011, depois de cinco temporadas jogando pelo Arsenal. Se em sua primeira passagem pelo profissional atuou pouco, agora, aos 24 anos, é tido como um dos pilares do meio-campo tricolor, ao lado de Wellington.

É por isso que o clube não quer se desfazer dele e tem como ideia firmar um acordo pelo menos até o fim de 2017. No momento, entretanto, o diretor de futebol, Adalberto Baptista, está de férias. Trabalhando à distância, sua preocupação maior, por ora, é em fechar a contratação do atacante chileno Eduardo Vargas, do Napoli.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade