Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Dores não intimidam Fabrício no Tricolor: “Não preciso provar nada"

Edoardo Ghirotto, especial para a GE.Net Cotia (SP)

Perseguido pelas lesões na última temporada, Fabrício ainda não mostrou ao que veio no São Paulo. O jogador disputou apenas quatro partidas em 2012 e ainda sofre com as dores na pré-temporada tricolor. Em busca da superação necessária para superar as sequelas de suas contusões, o volante garante não se importar com os críticos e manter sua preocupação voltada apenas para as suas metas pessoais.

“Não preciso provar mais nada para ninguém. Estou com 30 anos e tinha que provar lá atrás com 19 ou 20. Vou fazer 12 anos como profissional em times grandes e só quero jogar futebol em bom nível. Estou me preparando para continuar a disputa leal com os meus companheiros. E se eu notar que não tenho mais condição de jogar em time grande, eu mesmo peço para sair. Ninguém precisa me mandar embora, não”, bradou Fabrício.

Luiz Pires/VIPCOMM
O volante Fabrício afirmou que não está preocupado com os questionamentos da torcida tricolor
Apesar de não querer mais chamar a atenção no futebol brasileiro, o volante se mostrou participativo nos treinos desta quinta-feira e parece ter agradado ao técnico Ney Franco. Com a sua intensa movimentação no meio-campo da equipe reserva, o atleta chegou até a marcar gols e garantiu que superará as dores com base no planejamento traçado pelos médicos e preparadores do Tricolor.

“Eu estou seguindo o protocolo certinho. Estamos na fase de adaptação e comecei a mexer com bola pela primeira vez neste mês. Estes trabalhos precisam ser feitos diariamente, porque o joelho dói muito. Foi assim para andar de bicicleta e está sendo para jogar futebol. Todos precisam se preparar bem, porque a nossa temporada será longa e intensiva”, pontuou.

Fabrício já foi alvo dos questionamentos dos torcedores são-paulinos e teve o custo-benefício de sua contratação discutido nos momentos de dificuldade do clube. Com a certeza de que suas contusões foram fatalidades iguais as que atingiram o atacante Negueba nesta pré-temporada, o volante crê que voltará a “fazer o que mais gosta” a partir de fevereiro – data estipulada para o seu retorno ao Tricolor.

“Isso pode acontecer com qualquer um. Vimos a situação do Negueba, que fez dois treinos e rompeu os ligamentos. Acontece diariamente no futebol. Alguns jogadores tem seus casos mais comentados que outros, mas o importante é ter cabeça boa e ser forte para superar os desafios. Com o tempo você se recupera e volta a fazer o que mais gosta, que é jogar futebol”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade