Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Seleção pode ser combustível para manter Luis Fabiano acelerado

Tossiro Neto São Paulo (SP)

A convocação de Luis Fabiano para a Seleção Brasileira foi motivo de comemoração de todos no São Paulo. Dos companheiros à comissão técnica, os quais compartilham da opinião de que, tentado a disputar a Copa do Mundo de 2014, o atacante se obrigará a ter ainda melhor desempenho com a camisa 9 tricolor.

"Fiquei muito feliz. Pode ser um combustível para a gente aproveitar no São Paulo também. Ele tem que ser estimulado, e Seleção sempre estimula um atleta. Isso pode fazê-lo treinar cada vez mais, colocar-se em boas condições de jogo. Fazer gol, sabemos que ele tem facilidade", diz Rogério Ceni, que, sem fechar portas para um retorno ao time nacional, também elogiou a escolha de Felipão pelos goleiros Júlio César e Diego Alves.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Atacante já balançou a rede três vezes na atual temporada; em 2012, fez 31 gols em 44 jogos
"É muito difícil um atleta que joga no Brasil não aceitar um chamado da Seleção. Sem dúvida nenhuma, eu aceitaria. Mas acho que os dois goleiros têm experiência internacional, com diferença boa de idade entre um e outro. Foi uma convocação extremamente acertada. O Brasil está extremamente bem servido", opinou o reserva de Marcos e Dida no pentacampeonato mundial, em 2002.

No momento, porém, o único representante são-paulino na equipe de Felipão é Luis Fabiano. Artilheiro da equipe na temporada passada, com 31 gols em 44 partidas, ele iniciou 2013 em alta, balançando a rede três vezes em dois jogos, duas pelo Campeonato Paulista e outra pela Copa Libertadores.

"A gente o vê muito alegre", nota o técnico Ney Franco. "Ele tem certeza de que, se estiver bem física e tecnicamente, pode disputar a Copa do Mundo. Está motivado, alegre. Além de trazer confiança para ele, traz confiança coletiva e respeito do adversário. Tem que aproveitar esse momento".

A única preocupação da comissão técnica é quanto à disciplina. Na vitória sobre o Bolívar, na quarta-feira, o centroavante se estranhou com adversários, reclamou da arbitragem e foi advertido com cartão amarelo nos acréscimos do segundo tempo. Comportamento que, ele sabe, pode ser prejudicial para sua sequência na Seleção.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade