Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Sem plano B para Vargas, Ney Franco ainda não desiste do chileno

Tossiro Neto Cotia (SP)

Apesar de o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, ter dito na terça-feira que havia desistido da contratação do chileno Eduardo Vargas, o técnico Ney Franco ainda não jogou a toalha. Até porque, segundo ele, a diretoria não tem um alvo alternativo no momento para reforçar o ataque.

"A informação que eu tenho não é definitiva, que o clube não vai contratá-lo ou que o atleta não venha, mas que realmente está tendo dificuldade na contratação", falou.

"Hoje não temos nenhum outro nome no mercado. O nome que vinha sendo trabalhado era do Vargas, depois do Montillo. Como treinador, em algum momento tenho que fazer uma pesquisa, podendo aparecer alguma novidade, mas não temos nenhum plano B", admitiu.

Vargas é visto pelo treinador como substituto ideal para o meia-atacante Lucas, que exercia muito bem a função de ponta direita antes de se transferir para o Paris Saint-Germain. Sem o antigo camisa 7, ele se viu obrigado a mudar o esquema tático, abandonando o 4-2-3-1 para armar a equipe com um losango no meio-campo.

O clube até contratou outros atacantes, mas nenhum com condição de atuar no setor atualmente. Aloísio tem, por característica, atuar mais centralizado, enquanto Negueba lesionou o joelho direito, e Wallyson, sem atuar desde setembro, ainda busca preparo físico ideal.

"Para a sequências das competições, vamos ter que olhar com carinho essa questão de atacantes de beirada, porque só temos o Osvaldo. Inclusive vamos estrear com apenas um atacante como opção no banco de reservas (Aloísio). Por mais qualificado que seja o grupo, estaremos atentos ao mercado", salientou Ney Franco.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade