Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Gago de verdade, reforço do Verdão quer visibilidade e consagração

Gabriel Carneiro, especial para a GE.Net Itu (SP)

O apelido não é injustificável, como muitos ainda acreditavam. Nervoso por ter recebido um livro da história do Palmeiras e a camisa 31 das mãos do presidente Paulo Nobre nesta sexta-feira, o volante Leonardo David de Moura gaguejou, mas explicou com firmeza os motivos que o fizeram deixar o Grêmio para jogar Campeonato Paulista, Copa do Brasil e Série B do Brasileiro pelo Verdão – ele não poderá jogar a Libertadores porque já estava inscrito pelo Tricolor Gaúcho.

Satisfeito com o novo desafio, o volante tem 29 anos e já acumula passagens por grandes clubes do futebol nacional, como Coritiba, Vasco e Grêmio, clube pelo qual foi contratado em dezembro de 2011 e assinou contrato por três anos. Emprestado ao Palmeiras até o fim de 2013, o jogador ainda vestiu a camisa de clubes mais modestos, como Avaí, Fortaleza e Paraná antes de chegar novamente a um centro do futebol nacional.

“Como no Rio de Janeiro, São Paulo é o foco maior da imprensa. Acho que cada gol feito aqui vale por dois feitos em um Estado longe como é o Rio Grande do Sul. Então vou procurar fazer um grande papel para que meu ano seja mais exaltado do que em outros lugares”, resume Léo Gago, que já enfrentou o Verdão como jogador de outros clubes e sabe o que esperar: “Ganhar é uma linha dos times grandes, mas temos que focar bastante para levar o time onde ele quer sempre estar, chegar em cima”.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Léo Gago enalteceu a força do grupo do Palmeiras, que agora pode até fazer treino coletivo 11x11
Léo Gago fez três jogos pelo time B do Grêmio no Campeonato Gaúcho e espera ficar à disposição do técnico Gilson Kleina o mais rápido possível, sem medo da concorrência na posição mais povoada do elenco palmeirense. Além do ex-gremista, Kleina conta com Márcio Araújo, João Denoni, Souza, Wesley, Wendel, Marcelo Oliveira e Charles: “É um novo desafio, um grande desafio. Mas é uma posição que tem grande rodízio, suspensões, então vai ter espaço para todo mundo jogar”.

Após a apresentação, o novo reforço treinou ao lado dos reservas da estreia na Libertadores no Spa Sport Resort, em Itu, e ainda celebrou a chance do técnico Gilson Kleina de montar dois times para fazer treino coletivo – até a última semana, o comandante só tinha 18 jogadores no grupo: “Era muito pequeno, não tinha nem jogadores para escalar, fica difícil. Mas aos poucos vamos montando um grupo, um esquema e uma forma de jogar”.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade