Futebol - ( - Atualizado )

Danilo diz que Timão deve agradecer a Deus por elenco forte

Marcos Guedes São Paulo (SP)

O meio-campista Danilo jura que a grande concorrência interna no Corinthians não lhe causa preocupação. As opções de que dispõe o técnico Tite são vistas pelo jogador como armas importantes em uma temporada na qual o clube tem a responsabilidade de defender o título mundial.

“Eu tive a sorte de sempre jogar em elencos bons. Foi assim também no Goiás e no São Paulo. Você tem que agradecer a Deus porque, se não tiver elenco com jogadores de qualidade, você não vai ganhar”, afirmou o jogador, que também defendeu o Kashima Antlers em uma trajetória de poucas transferências.

No 4-2-3-1 de Tite, a concorrência mais forte é justamente nas quatro posições da frente. Jorge Henrique, Danilo, Emerson e Guerrero, titulares no Mundial, vêm sendo escalados, mas o treinador conta também com Douglas, Romarinho, Renato Augusto e Alexandre Pato.

“No nosso elenco, todo o mundo tem condição de jogar. A gente tem um treinador que fala na cara. Ele é coerente e já deixou claro que joga quem está melhor. Tem que ralar para buscar o seu espaço”, disse Danilo, cheio de moral pelas atuações e por frases como essa.

Djalma Vassão/Gazeta Press
O meia Danilo vai ganhar descanso após uma boa atuação na goleada do Corinthians sobre o Oeste
Por ora, é difícil imaginar o camisa 20 no banco. Reserva em parte das temporadas 2010 e 2011, suas primeiras no Timão, ele ganhou seu espaço e explica aos que hoje não estão atuando o que fazer: “É ter paciência e esperar a oportunidade”.

A oportunidade aparecerá nesta quarta-feira para Edenílson, Felipe, Guilherme, Douglas e  Alexandre Pato. Eles substituirão Alessandro, Paulo André, Paulinho e Guerrero, que não enfrentarão o Botafogo em Ribeirão Preto por diferentes motivos.

Titular na próxima rodada do Campeonato Paulista, Guilherme não foi nem relacionado para o último jogo. Situações como essa serão comuns na temporada e algo a ser administrado por Tite, mas Danilo aposta que não haverá maiores problemas.

“Todo o mundo é amigo aqui, todo o mundo quer se ajudar. Quem chega e vê o nosso ambiente de trabalho, o nosso dia a dia, já se sente em casa. Você não vê ninguém emburrado”, comentou o meio-campista.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade