Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Paulinho é homenageado no início e vibra com emoção no final

Marcos Guedes Bragança Paulista (SP)

Desta vez, Paulinho não marcou. O volante artilheiro não vibrou com nenhum gol seu no estádio Nabi Abi Chedid neste domingo, mas teve momentos de emoção no empate do Corinthians com o Bragantino, seu clube anterior.

O primeiro foi antes mesmo de a bola rolar. Ao lado de Romarinho e Felipe, outros corintianos que saíram do Braga, o volante foi homenageado pelo time do interior, ganhando uma camisa e um beijo do presidente Marquinho Chedid.

Depois de sorrir com o antigo chefe, Paulinho fechou a cara e foi em direção ao círculo central, onde se posicionaram os 22 titulares da partida. Houve um minuto de silêncio em homenagem a Kevin Espada, garoto boliviano morto na partida anterior do Timão.

“É apagar o que aconteceu, temos que seguir em frente. Depois de uma semana turbulenta como a que tivemos, voltei a Bragança, uma cidade pela qual eu tenho um carinho especial. Tenho carinho pelo Bragantino, pelo torcedor”, afirmou o camisa 8.

Apesar do carinho, o jogo não foi dos mais amistosos, com quase 30 faltas cometidas pelos donos da casa. Após uma delas, Paulinho chegou a se desentender e trocar empurrões com Kadu. E pôde sorrir após o pênalti batido por Guerrero, que fez questão de fazer a bola tocar no travessão antes de entrar para definir o empate por 2 a 2 aos 50 minutos do segundo tempo.

“Olha, fazia muito tempo que não tinha um jogo assim, ainda mais com a decisão no último lance, aquela situação de bater o pênalti e acabar o jogo, aquela emoção. Eu nunca tinha vivido. Foi um jogo difícil”, comentou o volante do Timão.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Guerrero bateu um pênalti aos 50 minutos do segundo tempo e fez a bola tocar no travessão para Paulinho sofrer mais

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade