Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Possível autor de disparo diz se sentir "a pior pessoa do mundo"

São Paulo (SP)

O menor de idade que prometeu se entregar à polícia como responsável por atirar o sinalizador que causou a morte de um torcedor boliviano de 14 anos no empate por 1 a 1 entre Corinthians e San José pela Copa Libertadores falou à mídia pela primeira vez neste domingo, se mostrando arrependido e negando que esteja protegendo outros membros da torcida organizada Gaviões da Fiel.

“Depois daquele momento, pensei que minha vida tinha acabado. Não sabia o que fazer, eu tinha matado uma criança de 14 anos de idade”, declarou em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo.

O jovem pediu perdão pelo ato. “Quero pedir perdão para a família do Kevin e para a família dos torcedores presos na Bolívia”, afirmou o torcedor, que estava acompanhado da mãe na entrevista. mostrando mais de seu arrependimento: “Me sinto a pior pessoa do mundo, me arrependo amargamente”. Sua mãe, no entanto, admitiu que talvez não fosse capaz de perdoar se estivesse na situação da mãe de Kevin Douglas Beltrán Espada.

O jovem descartou a hipótese de que teria sido entregue pela Gaviões da Fiel apenas por ser menor de idade, o que impede que ele sofra punições mais pesadas por parte da Justiça brasileira.

“Não estou protegendo ninguém, só quero assumir o meu erro. É errado que pessoas paguem por coisas que não fizeram, se eu estivesse no lugar deles não iria querer pagar injustamente”, garantiu.

No entanto, o menor explicou que a torcida impediu que ele se entregasse no local no lugar dos torcedores que foram presos na Bolívia. Por conta de uma assinatura da mãe, a Gaviões da Fiel era responsável pelo jovem.

“Eu podia me entregar para a polícia no lugar dos que foram presos, mas o pessoal falou que era melhor não me entregar por estar na Bolívia e ser da responsabilidade deles”, contou.

O torcedor afirmou que foi comprar o sinalizador sozinho. “Fui comprar uns jogos de videogame na rua 25 de Março e vi um cara vendendo esses sinalizadores. Decidi comprar um deles para levar para o jogo. Queria buscar meu espaço, mostrar que fui eu que fiz aquilo. Queria fazer uma festa para o Corinthians, eu amo o Corinthians”, comentou.

O jovem também garantiu que não tentou mirar o projétil na torcida adversária. “Eu estava comemorando o gol, peguei o sinalizador e fui acender. Tirei a capinha e no momento não aconteceu nada, quando fui puxar disparou na torcida, mas não tentei mirar. Não sabia que iria sair voando desse jeito”, relatou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade