Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Kleina se anima e crê que Maikon Leite e Vinicius completam Valdivia

William Correia e Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

A vitória de quinta-feira sobre o São Bernardo, dono da pior campanha no Campeonato Paulista, serviu para ratificar uma impressão que Gilson Kleina já tinha. Com Valdivia mais perto da plenitude física, o técnico acredita que encontrou no Palmeiras dois jogadores com característica para fazer o chileno brilhar: Maikon Leite e Vinicius.

“O Valdivia é um jogador de articulação, organização. Ele precisa que os jogadores deem opção para que ele faça lançamento, dê o drible e passe em profundidade com muita maestria. Nada melhor do que duas características ao extremo. O Vinicius e o Maikon caem na diagonal, e ele faz os passes”, disse o treinador.

Diante do Bernô, o meia até balançou as redes no triunfo por 3 a 0 no Pacaembu. O 4-3-3 também beneficiou Barcos, autor dos outros dois gols na partida. Mas os elogios ocorreram para Vinicius e Maikon Leite, por se esforçarem para atrapalhar a saída de bola adversária, como exige o comandante.

“Essa volta minha e do Maikon Leite tem que acontecer porque senão perdemos quatro homens na marcação. Se não fizermos isso, quebramos o esquema”, concordou Vinicius. “Fomos muito felizes mudando essa tática. Esperamos que continue dando certo. Se depender de mim, teremos muita vontade para marcar”, prometeu.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Entrada do atacante Vinicius promoveu 4-3-3 que fez Valdivia brilhar até com gol na vitória sobre o São Bernardo
Um empenho que, para Kleina, também é efeito da presença de Valdivia. “Ser competitivo é do sangue do Valdivia. O importante é que tem recurso impar, mas o fato de ele competir e dar o carrinho transcende ao companheiro por saber que ele está fazendo algo que, de repente, não faz em sua característica. Jogadores com experiência passam exemplo positivo.”

E Vinicius é mesmo fã do camisa 10. “O Valdivia é demais. Um cara que sempre elogiei pela pessoa e pelo amigo que sempre foi para mim. Infelizmente, teve uma fase em que se machucou muito, não conseguia jogar. Mas essa parte tática se sentiu à vontade, e também ficou feliz por ter feito gol e jogado bem”, falou o atacante.

Palavras que contrastam com o início de temporada do chileno. O meia voltou das férias com quatro dias de atraso, alegando que estava terminando um trabalho especial em uma clínica de Santiago para evitar as lesões musculares nesta temporada. Acabou multado e irritando Gilson Kleina.

Além de repreensão pública, o técnico afirmou que “passavam demais a mão na cabeça de alguns jogadores”. Mas hoje o discurso é outro. “Não tem tratamento especial para A ou B. todos são importantes. Se você trabalha sempre com a razão e a verdade, por mais que ela doa, cicatriza”, comentou Kleina.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade