Futebol/Copa Africana de Nações - ( - Atualizado )

Nigéria enfrenta Burkina Faso buscando título africano após 18 anos

Joanesburgo (África do Sul)

Tradicional potência do futebol africano, a Nigéria tem a chance de ressurgir no cenário internacional. Há 18 anos sem conquistar um título da Copa Africana de Nações, a equipe pode agora derrotar Burkina Faso na final no domingo, às 16 horas (de Brasília), em Joanesburgo, na África do Sul, para voltar a vencer a competição continental.

Além de quatro participações na Copa do Mundo, chegando às oitavas de final duas vezes, a Nigéria também é forte nas categorias de base: foram duas medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos, um título mundial sub-17 e dois vices no Mundial Sub-20.

A Nigéria também detém o recorde de mais alto ranking de um país africano no ranking da Fifa, chegando à quinta posição em 1994, mas não mantém a hegemonia na Copa Africana de Nações. Na competição, foram apenas dois títulos, cinco a menos do que o Egito, que não apresenta a mesma força da Nigéria fora das fronteiras africanas.

AFP
Com quatro gols, Emenike é o artilheiro da Nigéria (Foto: Francisco Leong)
Para chegar ao seu terceiro título e se aproximar do Egito, os nigerianos precisam evitar que a edição de 2013 termine do mesmo jeito que a de 2012: com uma zebra. No ano passado, a Zâmbia foi campeã sobre a Costa do Marfim. Agora, Burkina Faso pode surpreender e levar o título.

No caminho, Burkina já eliminou um dos favoritos. Gana foi eliminada nos pênaltis na semifinal após um empate por 1 a 1 pela equipe, que, antes dessa final, só tinha um quarto lugar como resultado relevante na Copa. A seleção participou em apenas nove das 29 edições da competição e foi eliminada na primeira fase em oito das dez vezes em que se classificou.

Já a Nigéria eliminou a principal favorita, a Costa do Marfim, com uma vitória por 2 a 1 nas quartas de final antes de golear Mali nas semis. Além disso, a equipes já enfrentou a própria Burkina Faso, mas sem vitória. Integrantes do grupo C, as equipes empataram por 1 a 1 na primeira fase.

Na ocasião, Burkina evitou a derrota com um gol do atacante Alain Traoré aos 49 minutos do segundo tempo. Destaque da equipe, o centroavante do Lorient marcou três gols na competição e é grande esperança de Burkina pelo primeiro título continental, enquanto a Nigéria conta com Emmanuel Emenike, atacante do Spartak Moscou, artilheiro da competição ao lado do ganês Wakaso Mubarak com quatro gols.

AFP
Nas semis, Bancé garantiu o empate por 1 a 1 com Gana que terminou com vitória de Burkina Faso nos pênaltis (Foto: Issouf Sanogo)

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade