Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Sem prever reforço de impacto, Nobre admite somente completar elenco

William Correia São Paulo (SP)

O Palmeiras está perto de confirmar as contratações dos volantes Charles e Marcelo Oliveira e do meia Ronny. E o torcedor não deve esperar atletas mais renomados do que esses, apesar de a inscrição para a Libertadores se encerrar em oito dias. Para disputar também Paulista, Copa do Brasil e Série B do Brasileiro, a ideia é ter um elenco numeroso, independentemente do impacto das contratações.

“A orientação para o (diretor executivo José Carlos) Brunoro é não inchar o elenco, mas completar. Não é porque temos 18 jogadores que vamos contratar qualquer um para ter 30. Alguns virão para ser titulares e outros para serem reservas, mas à altura do titular”, discursou Paulo Nobre, que busca 14 jogadores para dar a Gilson Kleina o número de atletas que ele pede.

E nenhum deles deve causar o impacto de Alexandre Pato no Corinthians, Lúcio no São Paulo e Montillo no Santos, por exemplo. “Quando o nosso departamento de marketing iniciar, poderemos ser mais ousados”, avisou o presidente, sincero. “Não vou fazer gestão para sair nos ombros da torcida. Nem vou fazer o torcedor de bobo, prometendo mundos e fundos e subindo os garotos da base.”

Divulgação
Marcelo Oliveira, Charles e Ronny devem ser os primeiros reforços de Nobre e dão o tom das contratações da gestão
Ainda sem trazer nenhum reforço nas suas duas primeiras semanas no cargo, Nobre precisa do documento de liberação do Vitesse, da Holanda, para anunciar Ronny, além dos exames médicos para confirmar a troca de Luan por Charles e Marcelo Oliveira. Assim, preenche um elenco que, nas contas de Kleina, só tem 18 atletas, embora no site oficial 33 jogadores estejam incluídos no grupo.

“O Brunoro está contatando jogadores que queiram voltar ao Brasil por causa da Copa do Mundo ou da Libertadores, mas daí a dar negócio existe uma certa diferença. Prefiro não criar expectativa nenhuma para a surpresa ser positiva”, falou, ressaltando as dificuldades, apesar de estar contratando volantes, um dos poucos setores em que não faltam opções.

“Ainda vão vir zagueiros e atacantes”, prometeu Nobre. “Temos problemas financeiros e o tempo é escasso. A dificuldade é complexa, não é específica. Mas estamos atentos às possibilidades de mercado. Todo jogador que puder vir, virá. O Brunoro e o Omar (Feitosa, gerente de futebol) estão trabalhando incessantemente para os jogadores que o Kleina pede, mas não sei dizer quando as negociações serão concluídas”, confessou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade