Futebol/Copa Libertadores da América - ( - Atualizado )

Lúcio nega problemas defensivos no Tricolor e exalta Paulo Miranda

Bruno Grossi, especial para a GE.net São Paulo (SP)

Com oito gols sofridos nas últimas partidas, a defesa do São Paulo despertou certa desconfiança dos torcedores. Foram quatro contra o Bolívar, três contra o Santos e um contra o Guarani, passando ilesa apenas contra a Ponte Preta. Apesar dos números, a grande contratação para o setor na temporada nega que o time esteja com problemas defensivos.

Até o jogo de volta contra o Bolívar na altitude de La Paz, a equipe treinada por Ney Franco havia sofrido apenas um gol em três partidas e desandou no segundo tempo contra os bolivianos. Para Lúcio, a desatenção na etapa complementar na Pré-Libertadores foi uma exceção, enquanto a partida na Vila Belmiro foi considerada normal por se tratar de um clássico.

“O que aconteceu na Bolívia é normal dentro do futebol, que é estar com uma vantagem de oito gols e relaxar. Acredito que foi isso que aconteceu contra Bolívar. Seria quase impossível tomar nove ou dez gols em meio tempo, por isso não levamos em consideração. Contra o /Santos é clássico e contra uma equipe qualificada. Depois conseguimos entrar em um processo de evolução”, destacou.

Um dos destaques do título da Copa Sul-americana, Rafael Toloi seria a principal opção para corrigir os possíveis erros. O ex-jogador do Goiás foi deixado entre os reservas por atuar no mesmo lado de Lúcio na defesa, mas garantiu estar apto para brigar com Rhodolfo pelo esquerda da zaga.

Perguntado sobre a possibilidade de alteração no setor, Lúcio foi enfático e não quis opinar: “Só o treinador pode responder sobre isso. Eu não posso escalar e nem mexer na equipe. Nunca fiz e nem farei isso. Melhor falar com o Ney Franco.”

Se não falou sobre mudanças, o xerife tricolor aproveitou para elogiar um dos trunfos do setor defensivo. Com o lado direito formado pelo zagueiro Paulo Miranda na lateral direita e o lateral Douglas como ponta direita, Lúcio exaltou a proteção à defesa feita pelo jogador que chegou a ser afastado pelo diretoria do clube no ano passado.

“Jogando com o Paulo Miranda o time fica um pouco mais defensivo e para nós zagueiros isso ajuda bastante. Se fosse um meio campista ou um atacante falando, talvez dissesse que preferia alguém mas ofensivo atuando na lateral direita”, elogiou o camisa 3, que disputa sua primeira Libertadores da carreira.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade