Futebol/Campeonato Paulista - ( )

São Paulo se apega a retrospecto de 2012 para apostar em reservas

Luiz Ricardo Fini São Paulo (SP)

A decisão do técnico Ney Franco de escalar reservas na partida deste sábado não gera preocupação no São Paulo. Apesar de o Tricolor necessitar de uma vitória contra o Guarani para se recuperar no Campeonato Paulista, o discurso no clube é de confiança, tendo como referência o desempenho dos suplentes nas duas rodadas finais do Brasileirão do ano passado.

“Acho que temos condições de ganhar usando um time reserva. No ano passado, fizemos isso em dois jogos, inclusive contra o Corinthians, e podemos ganhar do Guarani também”, afirmou o técnico Ney Franco.

Nas duas rodadas de encerramento do Brasileiro de 2012, o treinador apostou nos suplentes porque os titulares estavam sendo preservados para a decisão da Copa Sul-americana. Na época, o time alternativo do Tricolor empatou com a Ponte Preta e venceu os titulares do Corinthians, que estavam prestes a viajar ao Mundial.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Rafael Toloi é reserva e vai ganhar sua chance na partida deste sábado, contra o Guarani, em Campinas
Neste Paulistão, os reservas também não decepcionaram quando foram escalados contra o Atlético Sorocaba, com a vitória por 2 a 1. O rodízio dá esperança aos jogadores menos aproveitados, como o zagueiro Rafael Toloi, que perdeu sua vaga no time depois da chegada de Lúcio e quer aproveitar a chance no Brinco de Ouro da Princesa.

“Vai ser um jogo importante, porque o Guarani é forte e tem tradição. Vamos com concentração para fazer um bom jogo, assim como fizemos contra o Sorocaba e também no ano passado diante do Corinthians. Esta é mais uma oportunidade de mostrar que todos têm condições de jogar”, salientou.

Em caso de fracasso dos suplentes, Ney Franco não teme uma desmotivação do time principal para o jogo seguinte do Tricolor, na quarta-feira, contra o Atlético-MG, pela Copa Libertadores da América.

“O resultado deste sábado não tem interferência nenhuma no lado emocional do time, porque nossa prioridade é a Libertadores”, defendeu o comandante.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade