Tênis/Fed Cup - ( )

Time do Brasil se inspira na Davis e sonha com playoffs na Fed Cup

André Sender São Paulo (SP)

A equipe do Brasil na Federation Cup iniciou os treinos para a disputa do Zonal Americano, nesta quinta-feira, com uma meta ambiciosa: voltar a disputar os playoffs do Grupo Mundial II da competição entre países após nove anos de jejum. Com quatro tenistas à disposição, a capitã Carla Tiene usa o exemplo do time nacional masculino, que em 2013 retorna à elite do tênis, para inspirar as jogadoras na fase de preparação.

O Brasil, defendido por Teliana Pereira, Paula Gonçalves, Laura Pigossi e Beatriz Haddad Maia, está no Grupo B do Zonal Americano da Fed Cup, disputado entre 6 e 9 de fevereiro em Medellín, ao lado de Paraguai, México e Chile. Para disputar uma vaga no Grupo Mundial II, a equipe precisa vencer sua chave e depois triunfar no duelo com a equipe campeã do Grupo A, composto por Colômbia, Canadá, Venezuela e Peru.

“É um grupo muito homogêneo, em que qualquer um pode sair para jogar a final, mas não dá para piscar o olho. A gente tem boas chances e isso que estou procurando passar para as meninas, que a gente tem totais condições de ganhar e jogar a final do Zonal”, analisou a capitã Carla Tiene.

A comandante da equipe brasileira na Fed Cup fala da competição com conhecimento de causa, já que esteve em quadra na última vez que o Brasil disputou os playoffs do Grupo Mundial II, em 2004. Na ocasião, o time nacional foi derrotado pela Croácia por 4 a 1, em São Paulo.

Divulgação
Equipe brasileira treina em São Paulo para duelos na Colômbia (Foto: Tricia Vieira/Fotoarena)

Apesar de insucessos recentes no torneio entre países, as meninas brasileiras podem usar como inspiração a trajetória do time masculino na Copa Davis. Depois de perder seis vezes consecutivas nos playoffs, o País finalmente selou sua volta ao Grupo Mundial com uma vitória por 5 a 0 sobre a Rússia, em setembro passado, e neste fim de semana disputa seu confronto de retorno à elite do tênis. Liderado por Thomaz Bellucci, o time masculino faz duro duelo com os Estados Unidos em Jacksonville.

“É muito importante o masculino estar no Grupo Mundial porque é o grupo em que todo mundo quer estar, as meninas se inspiram para estar lá. O que a gente está buscando é esse sentimento de elevar o tênis feminino no Brasil”, explicou Tiene.

Em Medellín, Teliana Pereira será a principal jogadora da jovem equipe brasileira. A pernambucana de 24 anos de idade é a melhor jogadora do País no ranking mundial, na 163ª colocação, e deve servir de líder do time ainda inexperiente na Fed Cup. Paula Gonçalves, de 22 anos, e Laura Pigossi, de 18, nunca participaram da competição. A revelação Bia Haddad, de apenas 16, jogou duas partidas na edição de 2012 do torneio.

“A energia é diferente dos outros torneios. Você sente, tem um monte de gente ali torcendo por você, querendo que você ganhe”, afirmou Teliana, que tem retrospecto de 11 vitórias e duas derrotas na Fed Cup. “Vai depender muito do dia, tem menina que não consegue jogar competição por equipe. A diferença vai ser o time estar ali unido porque pode ganhar qualquer um”, completou.

Caso vença o Zonal Americano, o Brasil enfrenta nos playoffs um dos times derrotados na primeira rodada do Grupo Mundial II por uma vaga entre as 16 melhores nações do mundo. Os confrontos da segunda divisão do tênis serão realizados em 9 e 10 de fevereiro com duelos entre Suíça e Bélgica, Argentina e Suécia, Espanha e Ucrânia e França e Alemanha.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade