Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Após comemoração nazista, meia grego é banido da seleção nacional

Atenas (Grécia)

O meia Giorgos Katidis não deve ter mais a chance de atuar com a camisa da seleção grega. Durante partida de sua equipe, o AEK Atenas contra o Veria, válida pela 26ª rodada do Campeonato Grego, o jogador anotou o segundo gol da vitória por 2 a 1 do AEK e, na comemoração, fez um gesto nazista. Depois da polêmica, a Federação Grega de Futebol (HFF) resolveu banir o atleta de forma definitiva da seleção nacional.

O ato de Katidis chegou a deixar parte da torcida do AEK Atenas revoltada e fez com que o próprio clube pedisse desculpas publicamente. O próprio meio-campista, depois da grande repercussão do caso, fez uma retratação por meio de sua conta no Twitter.

“Não sou racista de jeito algum. Abomino o fascismo. Não faria o gesto se soubesse que significa alguma coisa. Eu sei das consequências e não farei mais isso”, escreveu o jogador de 20 anos de idade, que chegou a dizer que a comemoração do gol, na verdade, foi uma homenagem a seu colega de equipe, Michalis Pavlis, que está lesionado.

Giorgos Katidis já atuou nas seleções sub-17, sub-19 e sub-21 da Grécia, mas ainda não havia atuado pela seleção principal de seu país.

Em nota oficial divulgada pela federação grega, a entidade reitera que “condena de forma inequívoca e categoricamente” o gesto do jogador. O comunicado ainda cita que, segundo as regras da Fifa, Katidis pode ser banido de forma definitiva do futebol.

AFP
Katidis, que já atuou na seleção grega sub-19, não deve mais ter a chance de representar seu país nos gramados

Confira, na íntegra, a nota oficial da Federação Grega de Futebol:

Em reunião extraordinária neste domingo, 17 de março, 2013, a Secretaria Executiva da Federação Grega de Futebol decidiu, em resposta à saudação nazista George Katidis no jogo AEK x Veria e após análise de todos os dados, por unanimidade, o seguinte:

A energia do jogador para saudar os espectadores como nazista é brutal e afeta profundamente todas as vítimas das atrocidades nazistas, ferindo o caráter pacífico e profundamente humano do futebol. A Federação condena de forma inequívoca e categoricamente a atitude.

No âmbito dos seus poderes, decidiu pela exclusão de George Katidis da seleção. A Federação Grega de Futebol previu fenômenos análogos e já incluem a proibição desse tipo de ação nos contratos que os jogadores assinam com as equipes.

A HFF está certa também que os órgãos disciplinares competentes devem intervir de forma decisiva e impor as sanções previstas no Código Disciplinar para o crime. Entre as penas mais pesadas no futebol, a Fifa instituiu para tal casos o banimento total do atleta.

Finalmente, a Federação Grega de Futebol tomará todas as medidas necessárias para preservar a natureza pacífica do futebol, e para promover os valores da solidariedade, da cooperação e do respeito que professa.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade