Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Atacantes citam azar, mas Kleina já libera defensores para avançar

William Correia São Paulo (SP)

Em oito jogos disputados desde a saída de Barcos, os únicos atacantes a fazerem gols no Palmeiras foram Vinicius e Leandro (um cada um). Os jogadores do setor falam até em azar. Mas Gilson Kleina já tem armado o time para privilegiar defensores e apostar na bola alta como solução à ‘seca’ dos homens de frente.

Nessa quinta-feira, por exemplo, a vitória sobre o Paulista saiu com um gol contra e outro em que Vilson, mesmo com bola rolando, apareceu na área como um centroavante para completar cruzamento de Patrick Vieira. Chances similares ou até mais claras apareceram também para Kleber, mas o camisa 9 não aproveitou.

Outro que figurou bastante na área e até como ponta foi o zagueiro Henrique. “Treinamos a saída do Henrique pelo lado, sabemos que ele tem essa condição. Então fazemos a cobertura com o Vilson, esporadicamente com o Márcio Araújo. Isso é treino”, argumentou Kleina, até para discordar da sensação de ‘bagunça’.

Mas, se não há desordem tática, a liberdade é total para quem vem de trás chegar à frente, como confirmou Vilson. “O Kleina nos deixa fazer isso. Vi que a jogada estava se desenrolando e fui para a área. É uma arma boa, venho de trás e surpreendo bem a marcação deles. Entro no espaço e aproveito a chance. Com minha estatura e meu bom posicionamento, surgi como elemento surpresa no meio da zaga do Paulista”, descreveu.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Substituto de Barcos, Kleber não fez gol em quatro jogos e simboliza a má fase do ataque palmeirense
A Vinicius, autor de três gols em 59 jogos como profissional no Verdão, resta lamentar. “Está complicado. Parece que os goleiros estão pegando só a nossa. Bati o escanteio e o zagueiro deles pôs para dentro”, lembrou o atacante, que, como Kleber, recebe o incentivo de Kleina. “Muito se fala que o ataque não faz gol, mas a vitória é de todos”, ressaltou o técnico.

A falta de pontaria dos atacantes, contudo, tem comprometido. Antes de enfrentar o Paulista nessa quinta-feira, eram três jogos sem gol, com derrotas para Libertad e Tigre e empate com São Paulo. Desde a saída de Barcos, o time só balançou as redes nove vezes em oito jogos, e o artilheiro do clube no ano é o zagueiro Henrique, com quatro gols, seguido pelo volante Márcio Araújo e Barcos, ambos com três. Na temporada, o Palmeiras tem 22 tentos em 14 partidas.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade