Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Com uma bíblia na mão, Bruno chora no primeiro dia de julgamento

Contagem (MG)

Depois de permanecer 971 dias atrás das grades, o goleiro Bruno, acusado de mandar sequestrar e matar a ex-amante Eliza Samúdio, começou a ser julgado nesta segunda-feira, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. No momento em que o júri popular foi aberto à imprensa, o ex-jogador do Flamengo se mostrou abatido e, com uma bíblia na mão, chorou diante das câmeras. Além de Bruno, sua ex-mulher Dayanne Rodrigues também está sendo julgada.

Eram 7h44, quando o Bruno Fernandes das Dores de Souza deixou a Penitenciária Nelson Hungria, na cidade de Contagem, em direção ao fórum da cidade. Sob forte esquema de escolta, o ex-jogador do Flamengo chegou ao local do julgamento, que deve durar uma semana e pode decretar 38 anos de prisão, caso o réu seja condenado por todos os crimes: sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver.

A última vez em que Bruno entrou em campo para defender o Flamengo foi no dia 5 de junho de 2010, em uma derrota rubro-negra para o Goiás, por 2 a 1, no Estádio do Maracanã. Depois da partida, a suspeita de que Bruno teria participado do assassinato de Eliza Samúdio aumentou e o goleiro fez seu derradeiro treino no Ninho do Urubu no primeiro dia de julho, quando disse uma frase que ainda causa repercussão: “ainda vou rir muito disso tudo”.

Com 28 anos, Bruno não deve ter dificuldades para voltar a atuar no futebol profissional Se conseguir a absolvição no caso. Nas últimas semanas, o Boa Esporte, de Varginha-MG, demonstrou interesse na contratação do jogador para disputa do Campeonato Estadual e da Série B do Brasileiro.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade