Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Em busca de punição, Palmeiras formaliza queixa contra Mancha

William Correia São Paulo (SP)

Deixar de oferecer ingressos de graça em jogos fora do Brasil e o corte de qualquer relacionamento com organizadas não é a única punição que o Palmeiras deseja após a confusão em um aeroporto de Buenos Aires. O clube formalizou queixa na polícia contra a Mancha Alviverde para cobrar ações contra os envolvidos na tentativa de agressão que gerou corte na cabeça e na orelha de Fernando Prass na quinta-feira.

“Estamos dando sequência ao que foi falado pelo presidente. Queremos que os responsáveis, ou melhor, esses irresponsáveis sejam realmente enquadrados”, disse o diretor executivo José Carlos Brunoro, lembrando que os envolvidos na confusão são conhecidos do clube.

“O Palmeiras está fazendo a sua parte. O que não pode é acontecer o que aconteceu e ficar tudo bem. Ou que aconteçam sempre as mesmas coisas com as mesmas pessoas e ninguém fazer nada”, prosseguiu o dirigente, à espera também de uma manifestação oficial da organizada.

O clube enviou provas à polícia sobre o que ocorreu na última quinta-feira, incluindo vídeos. Foram citados nomes como o do ex-presidente da uniformizada, André Guerra, atuante na confusão que visava agressões a Valdivia e terminou em xícaras atiradas contra o elenco.

De acordo com o departamento jurídico do clube, até o fim desta semana novos documentos serão entregues à polícia. Depois disso, um relatório será enviado à Federação Paulista de Futebol com o pedido do Palmeiras para que a entidade tome medidas contra os agressores.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Paulo Nobre já cortou qualquer tipo de relação com organizadas e pede às autoridades que punam os agressores
Na justiça argentina, Fernando Prass ficou horas após a confusão dando seu depoimento no aeroporto ao lado do gerente de futebol Omar Feitosa, assim como três integrantes da Mancha, mas nada conclusivo foi dito. De acordo com Brunoro, se o goleiro tivesse apontado os responsáveis, ficaria dias na Argentina até a resolução do caso, o que prejudicaria o time.

A ação é também uma resposta à falta de ação da Mancha. O presidente Paulo Nobre disse que retomaria as relações caso a organizada entregasse os responsáveis pela confusão, e internamente na uniformizada foi aberta essa possibilidade. Mas, segundo Brunoro, ninguém havia procurado a diretoria até a noite dessa segunda-feira.

Uma das principais irritações dos dirigentes é que muitos no clube conhecem quem causou a confusão. O atrito da semana passada, por exemplo, se iniciou após Valdivia, durante o aquecimento para o jogo de quarta-feira contra o Tigre, mostrar os órgãos genitais para Wellington Oliveira Almeida, conhecido como Zeca Urubu e que já trocou agressões com João Vitor e Fabinho Capixaba.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade