Futebol/Copa Libertadores - ( - Atualizado )

Em viagem à Bolívia, deputado intervém por libertação de corintianos

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

O deputado federal Walter Feldman (PSDB), integrante da CPI do Trabalho Escravo, chegou da Bolívia na tarde deste sábado. Ele aproveitou a passagem pelo país para conversar com autoridades locais e pedir a libertação dos 12 corintianos presos em Oruro pela morte de Kevin Beltrán, torcedor do San José.

Ao lado de outros quatro deputados brasileiros, Feldman visitou as localidades de La Paz e El Alto desde quinta-feira. Como integrante da CPI, ele teve contato com membros do Ministério da Justiça e das Relações Exteriores, além de integrantes do Senado e da Câmara da Bolívia.

“Conversei com eles com muito cuidado (sobre a libertação dos corintianos), porque estava em uma missão oficial da CPI e não podia ser oportunista de aproveitar a situação. Fiz tudo com muita discrição, mas conversei sim com as autoridades bolivianas”, contou Feldman.

Durante sua estadia na Bolívia, o deputado federal entrou em contado com dois dos presos 12 presos em Oruro, Tadeu Macedo Andrade e Tiago Aurélio dos Santos Ferreira. Feldman ainda conversou com Miguel Blancourt, advogado do grupo, e se disse alarmado.

“Fiquei muito impressionado com os relatos que obtive. Eles estão em uma situação bastante precária. São inocentes tratados como culpados. Já há um réu confesso e não vejo motivo para mantê-los presos sem qualquer prova material concreta. É uma situação escatológica”, condenou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Em frente ao Masp, torcedores do Corinthians pediram a liberdade de seus "irmãos" presos na Bolívia
Walter Feldman falou sobre a tentativa de libertar os 12 corintianos com Marco Polo Del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF) e vice da CBF, e Andrés Sanchez, ex-mandatário do Corinthians. De acordo com o resultado do julgamento do grupo, marcado para terça-feira, ele pretende tomar novas providências.

“Já estou dando entrada a requerimentos na Comissão de Direitos Humanos e na Comissão de Relações Exteriores. Caso não tenhamos um resultado positivo na terça-feira, precisaremos montar uma delegação de deputados e senadores para ver o que está acontecendo. Não dá para aceitar isso”, declarou.

Ele ainda falou em procurar José Eduardo Cardozo, Ministro da Justiça do Brasil, para tratar sobre o tema. O deputado acredita na inocência dos 12 corintianos, mas sugere que, caso haja algum tipo de dúvida das autoridades bolivianas, eles possam responder em liberdade.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade