Futebol/Copa Libertadores - ( )

Henrique ameniza discurso de árbitros “bandidos” e vê culpa no time

William Correia São Paulo (SP)

Henrique saiu do campo após a derrota para o Libertad sem poupar o árbitro venezuelano Juan Soto e o quarto árbitro paraguaio Ulisses Meireles. O capitão do Palmeiras definiu ambos como culpados pelo resultado e ainda os chamou de bandidos. De cabeça fria, o zagueiro mudou o discurso para um pedido de atenção, admitindo também responsabilidade da equipe pela atuação em Assunção.

Capitão chamou árbitros de bandidos

“Você sai de campo nervoso depois de ver algumas coisas. Não é difícil sair com a cabeça quente, você se exalta. Mas não foi um ou outro culpado, foi um conjunto em geral. Temos que ver o que erramos e corrigir para o próximo jogo”, disse o defensor, adotando um tom de voz bem mais brando do que quando esbravejou no Paraguai.

O cuidado em relação aos apitadores, contudo, é uma das lições assimiladas pelo camisa 3. “Alguns detalhes definiram nossa derrota, como a atenção nos gols. Atenção, principalmente com a arbitragem em Libertadores, que é jogo corrido e difícil, tem que existir. Ainda mais fora de casa”, ressaltou.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Zagueiro voltou do Paraguai bem mais calmo do que quando chamou os árbitros de bandidos após a derrota
A revolta de Henrique se deve principalmente ao que ocorreu nos dez primeiros minutos do segundo tempo. O zagueiro foi atingido pelo braço de Velázquez e por mais de uma vez precisou sair de campo porque seu nariz estava sangrando. Na última delas, com algodão no local manchado de sangue, o árbitro ordenou que ele deixasse o jogo exatamente na cobrança de falta que gerou o segundo gol paraguaio.

Irritado, o jogador bateu palmas ironicamente e recebeu um cartão amarelo que deixou até Gilson Kleina indignado. Mas a calma foi estabelecida na sexta-feira que o time passou em Assunção, provavelmente visando evitar punições em meio ao maior rigor da Conmebol para este ano.

Agora, tudo serve de aprendizado para a equipe se manter na Libertadores. “Tem muito a acontecer na Libertadores. Que essa derrota sirva de lição para não cometermos os mesmos erros”, falou Henrique.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade