Futebol/Copa Libertadores - ( )

Maikon Leite e Kleber são preparados para formar ataque na Argentina

William Correia São Paulo (SP)

Valdivia já se colocou à disposição para iniciar a partida de quarta-feira, contra o Tigre, e não deve ser a única mudança do Palmeiras na Argentina. Gilson Kleina pretende abrir mão do esquema que usou nos últimos quatro jogos e prepara uma nova dupla de ataque a ser municiada pelo chileno: Maikon Leite e Kleber.

Os dois entraram no segundo tempo da derrota para o Libertad, na quinta-feira, assim como Valdivia, e saíram de campo garantindo não terem sentido as lesões musculares que o deixaram fora de partidas anteriores. A aposta é no trabalho físico de ambos para terem condições de começarem a decisiva partida desta semana.

Disposição não falta nas palavras da dupla. “Estou me preparando para ser titular. Vim para isso e vou procurar sempre por isso no Palmeiras”, discursou Kleber. “Estou pronto para jogar na quarta-feira, sem nenhuma dor”, garantiu Maikon Leite, um dos preferidos de Kleina, que enxerga na sua velocidade uma grande arma para definir o jogo.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Kleber estreou no Paraguai e voltou ao Brasil com a expectativa de ser titular pela primeira vez
O time preparado pelo treinador para quarta-feira é bem similar ao que terminou o jogo no Paraguai. A diferença é que Vinicius deve sair e Souza, mantido no meio-campo. A escalação ideal para a Libertadores na cabeça de Kleina, principalmente após a atuação de quinta-feira, tem Fernando Prass; Weldinho, Henrique, Vilson e Marcelo Oliveira; Márcio Araújo, Souza, Wesley e Valdivia; Maikon Leite e Kleber.

A possibilidade de colocar em campo essa formação pela primeira vez, sacando Mauricio Ramos, Patrick Vieira e Vinicius, aumentou pelo relato das três prováveis novidades. Valdivia já se vê em condições de ser titular, assim como Maikon Leite e Kleber. “O jogo foi tranquilo para mim, não senti nenhuma dor. Só o resultado que não veio, infelizmente”, disse Maikon Leite.

Kleber era quem mais gerava preocupação, pois não entrava em campo desde dezembro. “No começo do jogo, eu me senti um pouquinho abaixo. Depois entrei no ritmo, mas muito longe de estar 100% do que posso fazer. Tenho a consciência de que posso melhorar cada dia mais”, afirmou o camisa 9.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade