Futebol/Copa Libertadores - ( - Atualizado )

Ney Franco recebe apoio de atletas em meio a momento turbulento

Helder Júnior São Paulo (SP)

Ney Franco decidiu não conceder entrevistas às vésperas da partida decisiva contra o Arsenal de Sarandí, na quinta-feira, na Argentina. Coube a alguns de seus comandados falarem em defesa do treinador – contestado pela campanha irregular na Copa Libertadores da América, apesar da liderança do Campeonato Paulista, e pela irritação pública do meia Paulo Henrique Ganso com a reserva.

“O Ney não está passando por nenhuma nuvem ruim. Até agora, não ouvi nada falando (de demissão) dele. É um treinador que está tentando ajudar a nossa equipe”, apoiou o meia Jadson, concorrente de posição do insatisfeito Ganso. “É claro que o Ganso pretende ser titular, mas o Ney é o nosso comandante, sabe o que faz e conhece os jogadores. Prefiro até ficar fora disso, fazendo o meu trabalho, quietinho. Não há desgaste nenhum no grupo”, garantiu.

Apesar de evitar a polêmica, Jadson não se mostra favorável à ideia de o São Paulo mudar de esquema tático e passar a atuar com dois meias – Ganso seria o seu parceiro na armação. “A gente já tem a característica de jogar com três atacantes. Deu certo assim. Mas vamos ver como será no futuro. Depende muito do entrosamento da equipe”, voltou a desconversar.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Ney Franco se calou antes da partida decisiva contra o Arsenal de Sarandí, pela Copa Libertadores
Jadson não é o único que está ao lado de Ney Franco. “Ele é um excelente treinador e conta com a confiança de todo o grupo”, elogiou o zagueiro Rafael Toloi. “A equipe sabe do seu potencial. Tenho certeza de que o Ney vai armar bem o nosso time”, complementou.

Toloi só não quis dizer que jogará para defender a estabilidade de Ney Franco no comando do São Paulo. “A gente joga pelo clube”, diferenciou. “Sou assim e todos os jogadores também.”

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade