Futebol/Bastidores - ( )

Pandev é apoiado por Mou e desmente Fifa: “Não é minha assinatura”

Skopje (Macedônia)

A polêmica envolvendo a votação da Fifa para a escolha do melhor técnico do mundo em 2012 está longe de terminar. Depois de José Mourinho e Goran Pandev denunciarem uma suposta fraude na eleição, a entidade máxima do futebol divulgou a assinatura de Pandev, mas o macedônio negou ter assinado o documento.

O treinador do Real Madrid afirmou no início da semana que não participou da Bola de Ouro em dezembro do ano passado por ter sido avisado sobre possíveis irregularidades na votação. Dias depois do anúncio dos vencedores, o português revelou ter recebido ligações de técnicos e jogadores dizendo que tiveram os votos adulterados pela Fifa.

No dia seguinte, Pandev resolveu se pronunciar e confirmou a versão do chefe nos tempos de Internazionale. O atacante do Napoli e capitão da seleção da Macedônia garantiu ter votado em Mou, mas teve os votos atribuídos ao espanhol Vicente Del Bosque, ao italiano Roberto Mancini e ao alemão Jurgen Klopp.

Para tentar encerrar as denúncias, a Fifa divulgou a cédula de votação dos macedônios assinada pelo treinador Codomir Janevski e pelo capitão Pandev. Mesmo com a prova, o atacante manteve sua versão e foi irredutível em entrevista ao site Calciomercato.

Divulgação/Fifa
Fida divulgou a cédula assinada por Pandev, mas viu o macedônio negar a assinatura e manter versão de fraude
“O que eu posso dizer é que aquilo na imagem não é a minha assinatura. Mourinho é o meu candidato predileto, todo mundo sabe disso”, ressaltou o macedônio, confirmando a versão apresentada na última quarta-feira. E a postura de Pandev foi elogiada por Mourinho neste sábado ao jornal Marca.

“Quero agradecer a uma pessoa entre tantas que me ligaram para avisar o que estava acontecendo. Ele que teve honra e força de assumir publicamente, pois outros me pediram anonimato, o que é de se respeitar. Não posso criticar ninguém, não é fácil fazer o que Pandev fez”, destacou o treinador português.

Além de apoiar o ex-comandado, Mourinho aproveitou para justificar mais uma vez sua ausência no evento da Fifa. O madridista ressaltou que a falta não teve relação com o fato de ter perdido a votação e lembrou que, mesmo com os votos que teriam sido adulterados, não teria superado Vicente Del Bosque.

“Minha intenção era que as pessoas soubessem porque não fui na cerimônia. Me falaram que as coisas não eram claras e provaram que não foram claras. Provavelmente eu não teria vencido, mas isso não era um problema. Agora as coisas estão claras e não podem me criticar por não ter ido”, finalizou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade