Futebol/Copa Libertadores - ( - Atualizado )

Preparador explica estratégia para Galo superar altitude de La Paz

Do correspondente Wanderson Lima La Paz (Bolívia)

Com o objetivo de minimizar os efeitos dos cerca de 3600 metros de altitude de La Paz, a delegação do Atlético-MG optou por chegar com antecedência na Bolívia. Nesta quarta-feira, o Galo vai encarar o The Strongest, em partida válida pelo Grupo 3 da Libertadores, mas os atleticanos já estão em solo boliviano desde o último sábado.

A antecedência de cinco dias na viagem é explicada pelo preparador físico Carlinhos Neves, que destaca a necessidade de adaptação dos atletas aos efeitos da altitude. Segundo ele, a aclimatação dos jogadores será importante para que o organismo sinta em menor intensidade os problemas de se atuar acima dos 3600 metros.

“Viajamos antecipadamente para aclimatar os jogadores. Eles vão perceber o desconforto, uns mais e outros menos, e, na medida em que os dias forem se sucedendo, vão se acostumando a isso. Ou seja, a antecedência na viagem é para que cada organismo, dentro das suas características e capacidades individuais, tenha seu tempo de adaptação”, explicou.

Outra razão apontada pelo preparador físico para a antecipação da ida à Bolívia é a possibilidade de avaliação do desempenho dos atletas por parte do treinador. “Esse é outro aspecto importante da viagem com antecedência. Cada organismo reage de forma particular e o Cuca vai poder perceber os atletas que podem sentir mais ou menos esses efeitos da altitude. Por isso, estamos viajando com 22 jogadores”, disse.

Segundo Carlinhos Neves, a fórmula adotada representa um meio termo entre a acomodação, que é a chegada ao local em cima da hora do jogo, e a adaptação, que só se consegue com duas ou três semanas, período que o calendário não permite.

“Optamos por esses quatro, cinco dias, em que, em um primeiro momento, os jogadores vão passar por um processo de desconforto. No primeiro dia, vamos treinar com menos intensidade. No segundo, com mais intensidade e, no terceiro, aquele último jogo de preparação. A ideia é que os jogadores já tenham uma percepção do desconforto que terão”, comentou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade