Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Segunda seguida, expulsão no clássico incomoda técnico são-paulino

Tossiro Neto São Paulo (SP)

Não há nada que perturbe mais Ney Franco ao longo de um jogo do que cartões a seu time. Os repetidos alertas do treinador do São Paulo a seu elenco, entretanto, não surtiram efeito ultimamente. Em menos de uma semana, foram dois vermelhos, o mais recente deles recebido por Lúcio, no empate de domingo contra o Palmeiras.

O zagueiro foi expulso ao deixar o braço em Valdivia em uma dividida no meio-campo, no início do segundo tempo, deixando a equipe com um jogador a menos por 40 minutos.

"Prefiro ver (pela televisão) o lance, porque estava muito longe. Mas foi mais uma expulsão da nossa equipe. Internamente, a gente vem conversando sobre isso. E vamos conversar com o grupo mais uma vez", disse o técnico, que na quinta-feira viu Luis Fabiano receber vermelho após o apito final, por reclamação.

Neste domingo, o atacante voltou a demonstrar certo destempero, recebeu amarelo por uma falta e mais tarde acabou substituído por Osvaldo.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Luis Fabiano voltou a ser advertido, mas, neste domingo, para ajudar a recompor o meio-campo
"Eu não o tirei por causa do cartão. Tirei pela parte tática mesmo. Se ele não tivesse tomado amarelo, também teria sido substituído, porque queria um atacante de velocidade”, explicou Ney Franco, aproveitando para absolver o camisa 9 pela advertência no clássico.

"Não foi por problema emocional, psicológico. Ele teve que ajudar a recompor o meio-campo. Teve que fazer uma coisa que não sabe fazer, que é marcar. No afã de recuperar a bola, acabou fazendo a falta e tomando cartão. Cada cartão tem que ser estudado. Mas dois cartões vermelhos é um dado preocupante", completou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade