Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Sem "caçar culpados", Kleina diz que fez sua parte contra sofrimento

William Correia São Paulo (SP)

Muitos torcedores deixaram o Pacaembu concentrando sua irritação em Gilson Kleina, até pedindo sua demissão. Pouco após ouvir gritos como “volta para a Ponte Preta”, o técnico lavou suas mãos. Ressaltou que colocou Leandro para forçar o Palmeiras a jogar pelas laterais, mas os jogadores centralizaram o jogo e, por isso, a vitória sobre o Paulista foi sofrida mesmo com dois jogadores a mais.

“Caímos na armadilha de, com dois a mais, querer pressionar de qualquer maneira, por dentro. Não tem o que forçar depois da expulsão. Só podíamos tomar gol de contra-ataque ou bola parada e isso quase aconteceu”, relatou o treinador, desconversando ao ser questionado sobre responsabilidades pela atuação.

“Não estou aqui para achar culpado, mas muitas vezes se paga o preço por estrear jogadores já no meio do campeonato. Ainda não temos uma equipe ideal e sabemos que vamos tropeçar”, disse, sem esconder, porém, a frustração. “A equipe achou que tinha de fazer o terceiro gol e golear, mas não é assim”, reclamou.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Técnico diz que mexeu para time abrir, mas única substituição ofensiva foi Valdivia por Leandro
“Colocamos jogadores para jogarmos pelos lados. Fiquei feliz pelo resultado, mas também temos de aprender a lição por causa dessa vitória. Se não fizermos o terceiro gol, não podíamos tomar contra-ataque. Precisamos ter essa tranquilidade para fazer essa jogada pelos flancos”, prosseguiu Kleina.

Apesar do discurso do técnico, Leandro, que entrou no lugar de Valdivia, foi o único jogador ofensivo a sair do banco nesta quinta-feira. No intervalo, com o temor da expulsão de Marcelo Oliveira, o trocou por Juninho. E no segundo tempo, logo após o Paulista ter o segundo atleta expulso, trocou o zagueiro Mauricio Ramos pelo volante Léo Gago, recuando Vilson para a defesa.

“A nossa bola começou a bater e voltar, não tínhamos essa transição para trabalhar a bola no ataque. Deixamos de fazer isso principalmente depois do gol. Perdemos uma bola no lado direito, paramos para pedir o impedimento... Temos de corrigir essa situação”, apontou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade