Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Sheik ganha moral e promete "ralar bumbum no chão" por vaga

Marcos Guedes São Paulo (SP)

O gol que Emerson buscava não saiu, mas ele deixou o Pacaembu, neste sábado, mais tranquilo. Uma semana depois de perder um pênalti no mesmo estádio e lamentar o que chamou de pior fase da carreira, o Sheik mudou a própria avaliação e prometeu fazer o que for necessário na briga para voltar ao time titular do Corinthians.

“Depois do jogo contra o Ituano, fiz uma colocação infeliz, nunca é tarde demais para corrigir. Eu disse que estava em fase ruim, mas não estou mal. Estou correndo e lutando, apenas o gol não está saindo. Hoje, estou feliz da vida. Joguei com alegria depois de muito tempo”, afirmou o atacante.

De acordo com o herói da última Copa Libertadores, o caminho para a felicidade foi justamente não tentar ser herói. “Tirei das minhas costas essa responsabilidade de decidir. Todo o mundo está acostumado com o Emerson que decide. Futebol é coletivo, todo o mundo tem que estar bem. Eu entendi isso.”

Djalma Vassão/Gazeta Press
Emerson brigou bastante pela bola, algo que não passou despercebido pelo técnico Tite
O próximo passo é recuperar o espaço. O Sheik esteve muito bem no triunfo por 3 a 0 sobre o União Barbarense, colaborando bastante com jogadas individuais e também com roubos de bola. Esforçar-se ao máximo é o que promete o camisa 11 para ganhar moral com o chefe.

“A gente tem um treinador que dá as oportunidades para quem trabalha. O Tite sabe muito bem que ninguém joga com o nome. Para conquistar uma vaga, tem uma frase que ele fala. Não sei bem como é, mas é algo como ‘ralar o bumbum no chão’. Se o caminho é esse, é esse o caminho que vou seguir”, comentou.

Tite gostou do que viu. “Ele retomou o seu padrão normal de atuação. Você só consegue ser um jogador diferenciado quando passa do degrau de baixo para o médio. Depois decide. O jogo já estava 1 a 0, ele roubou bolas no ataque. Ele tem o lance individual, vai para dentro, ajuda a quebrar uma defesa como o do Barbarense, que apostou no volume de faltas”, elogiou o comandante.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade