Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Solidário a Ney, Kleina diz que derrota faz parte e 'culpa' elenco

William Correia São Paulo (SP)

Tanto Gilson Kleina quanto Ney Franco passam por períodos de pressão e questionamento aos seus trabalhos, embora as diretorias de seus clubes assegurem a permanência de ambos. Ao falar do assunto, o técnico do Palmeiras disse torcer pelo colega do São Paulo e até fez um discurso que serve como defesa dos dois: os jogadores também têm culpa e perder não é o ‘fim do mundo’.

“Precisamos contar com o talento e a vontade dos jogadores. Vejo a figura do treinador com uma parcela de culpa, mas dividida, não só transferida”, argumentou Kleina. “A primeira pessoa que quer ver a equipe ganhar é o treinador, que tem toda dedicação. A crise que supostamente falam é que hoje no futebol parece que a derrota não pode acontecer. Não é assim.”

O treinador do Verdão citou até o Barcelona em defesa de sua classe. “A derrota faz parte do futebol. Não é fácil manter um nível técnico. E não temos uma equipe com um, dois anos de entrosamento, estamos montando uma jogando a cada três dias. Não quer dizer que as coisas vão acontecer porque troquei três ou quatro peças. O importante é ter tranquilidade e norte para entender que vai chegar”, indicou.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Técnico concorda que tanto ele quanto Ney, mesmo com respaldo da diretoria, precisam de resultados
Gilson Kleina, porém, sabe da importância de obter resultados para não perder seu emprego. “No futebol, temos que trabalhar sempre pensando no próximo jogo. Você pode fazer todo o planejamento, o projeto, mas o que vale muito são a sequência de jogos e os 90 minutos”, admitiu, prometendo luta apesar de estar ‘prestigiado’ pelos dirigentes.

“Tanto eu quanto o Ney temos o respaldo forte da diretoria. E vou dar a cara para bater, sempre na linha frente e colocar o que for melhor. O Palmeiras precisa resgatar a autoestima e voltar a trilhar um caminho para ser o time forte que todos respeitam. É o que estou fazendo e o que o Ney está fazendo no São Paulo”, analisou.

Na comparação entre Palmeiras e São Paulo, Kleina ressaltou que a Série B é tão difícil quanto a primeira divisão, mas não aceitou se colocar no nível de Ney Franco. “O Ney já tem um currículo invejável, com grandes conquistas. Sem demagogia, não tenho muita afinidade com o Ney, o conheço pelo pouco que conversamos, mas torço muito por ele. É uma pessoa espetacular e quem está começando tem que se espelhar no profissional que ele é”, elogiou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade