Futebol/Campeonato Carioca - ( )

Treinador do Botafogo exalta "tranquilo" Bolívar e "cirúrgico" Lucas

André Sender, enviado especial Rio de Janeiro (RJ)

O gol que deu o título da Taça Guanabara ao Botafogo teve participação, mas não saiu dos pés do holandês Seedorf, principal ídolo da torcida. Após o europeu iniciar jogada pelo lado esquerdo, a bola foi cruzada e acabou nos pés do zagueiro Bolívar, que dentro da área rolou para o lateral Lucas bater com precisão e vencer o goleiro Alessandro.

Os dois jogadores do sistema defensivo foram exaltados pelo técnico Oswaldo de Oliveira por conta do lance decisivo, mas também pelas boas atuações anteriores com a camisa do clube de General Severiano.

"O Bolívar foi preciso. Não é nem coisa de craque, mas de um cara tranquilo, experiente e que já viveu muito esses momentos e naquele instante fez a opção correta. E o Luquinhas foi cirúrgico, perfeito na finalização. Isso coroa realmente essa vitória do Botafogo na Taça Guanabara, achei uma pintura", avaliou o técnico.

O chute de Lucas que acabou nas redes do Engenhão teve outro significado importante para Oswaldo de Oliveira. Na final do Campeonato Carioca de 2012, o lateral foi expulso e apontado pela torcida como um dos vilões da derrota para o Fluminense. Em vez de sacá-lo do time, o treinador o manteve jogando e acompanhou sua evolução, que já resultou até em convocação para a Seleção Brasileira.

"Jogador não é uma peça de automóvel que você troca a qualquer momento, é ser humano, oscila, tem problemas familiares e às vezes traz isso para o trabalho. O Lucas é um cara que está se encontrando, com qualidades inegáveis e, principalmente depois deste momento de afirmação, tem muito a crescer".

Fernando Dantas/Gazeta Press
Criticado em 2012, Lucas deixou o gramado do Engenhão como herói do título do Botafogo


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade