Futebol/Bastidores - ( )

Unanimidade na Lusa, Diogo apaga insucessos por Santos e Flamengo

Gabriel Carneiro, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Vendido ao Olympiakos por R$ 24 milhões, em agosto de 2008, o atacante Diogo teve um início promissor na Grécia, participando ativamente das conquistas da Copa e da Supercopa nacionais em sua primeira temporada na Europa. Dois anos após avançar à fase de 16 avos de final da Copa da Uefa (hoje Liga Europa) pelo clube de Atenas, o novo reforço da Portuguesa teve passagens sem brilho por dois grandes do Brasil: Flamengo e Santos.

Por indicação de Zico, seu então comandante no Olympiakos, Diogo chegou ao Flamengo, ainda com status de jovem revelação, em agosto de 2010, quando a equipe tentava se recuperar dos baques da saída de Adriano para a Roma e da prisão do goleiro Bruno logo após a conquista do Brasileirão. Apresentado ao lado de Deivid, que também não se firmou, o jovem atacante não traz más recordações da Gávea.

Gabriel Carneiro/Gazeta Press
Apresentado à Lusa nesta terça-feira, Diogo terá uma nova chance 'em casa'
“Fiquei feliz por ter jogado na Europa, fui tratado com muito carinho na Grécia. Agradeço também a oportunidade do Flamengo, porque foi o Zico quem me levou. Foi uma experiência boa, mas peguei um momento conturbado pela situação do Bruno e do Adriano, que tinha acabado de sair”, relembra Diogo, que acabou sendo contratado pelo Santos, novamente por empréstimo, em janeiro de 2011.

Com a concorrência de nomes como Keirrison e Zé Love, Diogo iniciou a temporada como titular do Santos sob o comando de Adílson Batista. Inscrito na Libertadores, atuou em três partidas antes de sofrer uma fratura na coluna e se tornar desfalque por três meses e meio. Quando retornou, o Peixe já havia encontrado seu substituto após o título da Libertadores: Borges, que permaneceria no clube por apenas uma temporada e hoje defende o Cruzeiro.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Entre 2006 e 2008, o atacante foi apontado como grande revelação do futebol brasileiro
“Minha frustração é só de ter machucado. Joguei três jogos da Libertadores, o primeiro contra o Deportivo Táchira, depois contra o Cerro Porteño dentro de casa e fora, sendo que esse jogo foi decisivo, que a gente ganhou de 3 a 2. Me machuquei, saí no primeiro tempo e fiquei três meses e meio parado. Só de ter participado daquele elenco foi muito bom, conquistamos algo que não acontecia desde a Era Pelé, fiquei muito feliz de ter participado”, comentou o novo reforço da Portuguesa, que ainda mantém contato com Arouca, Edu Dracena e com o volante Adriano, que recentemente deixou o Santos para vestir a camisa do Grêmio.

Tratado como unanimidade na Portuguesa, Diogo foi apresentado nesta terça-feira, no estádio do Canindé. Sem condições de entrar em campo na Série A2 do Campeonato Paulista por conta do encerramento do período de inscrições, o atacante de 25 anos deve estrear na Copa do Brasil e atuar normalmente na Série A do Brasileirão. O contrato da mais recente revelação das categorias de base lusitanas é válido até dezembro de 2013, com possibilidade de renovação por duas temporadas.

“Responsabilidade sempre vai haver, mas ter o carinho de todos aumenta minha vontade de querer vencer”, confia o pai do garoto Enzo, satisfeito pela evolução do próprio futebol: “Primeiro destaco a satisfação de ter retornado, não é novidade que gosto daqui, sou torcedor, me criei aqui. Todo mundo fala: ‘ah, porque não esperou para ir para um lugar melhor?’, mas foi bom para a Portuguesa e para mim. Ganhei experiência fora, porque você vai adquirindo muita coisa ao longo da carreira, as lesões atrapalharam, mas isso acontece”.

Montagem sobre fotos Divulgação
Diogo teve oportunidades de mostrar futebol vestindo as camisas do Flamengo, em 2010, e do Santos, em 2011

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade