Futebol/Campeonato Carioca - ( - Atualizado )

Vascaínos pedem menos conversa e mais atitude por reação na Taça Rio

Rio de Janeiro (RJ)

A estreia de Paulo Autuori no comando do Vasco da Gama esteve longe do ideal. O empate sem gols diante do Olaria em Moça Bonita deu o primeiro ponto ao time da Colina no grupo A da Taça Rio após três rodadas, deixando a busca por uma vaga na semifinal cada vez mais complicada.

Na saída do gramado, poucos jogadores quiseram falar com a imprensa, como o zagueiro Dedé. O Mito voltou da Seleção Brasileira e de lesão, mas não conseguiu evitar mais um tropeço. Já o lateral direito Nei resolveu falar e avisou aos companheiros que o momento é de aplicação nos treinos para corrigir os erros.

“Não adianta ficar falando muito, arrumando desculpa. Acaba sendo pior. Vamos pensar em trabalhar e pensar no clássico contra o Botafogo (no dia 3 de abril)”, alertou o defensor, que tentou mostrar confiança na classificação: “Matematicamente ainda tem chance? Tem. E se tem possibilidade, há chance.”

Para tentar reverter a situação no Campeonato Carioca, Paulo Autuori pede para que mais jogadores chamem o jogo como Carlos Alberto nesta quarta-feira. “O Carlos é um jogador que chama a reponsabilidade e é importante para este momento. O que nós queremos é que ele faça as jogadas, limpe o lance e clareie tudo. Temos que fazer isso mais vezes durante o jogo”, ressaltou o comandante cruz-maltino.

Elogiado pela atitude em campo, Carlos Alberto também mostrou personalidade nas declarações. O meia-atacante admitiu a situação complicada na Taça Rio após a vitória do Volta Redonda sobre o Madureira. “Aconteceu de empatarmos, só temos um ponto e o Volta Redonda venceu mais uma. Temos que ficar preocupados, porque enquanto não pontuamos, os adversários vão se distanciando e as coisas vão se complicando ainda mais”, lamentou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade