Jogos Olímpicos 2016/Hipismo - ( )

COB considera medalha no hipismo vital para cumprir meta no Rio-2016

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

Para cumprir a meta de terminar os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro-2016 entre os 10 primeiros colocados no quesito número de medalhas, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) considera fundamental subir ao pódio na competição de saltos do hipismo.

Em busca do feito, a entidade planeja priorizar os esportes individuais e medalhar em cerca de 13 modalidades diferentes. A ideia do COB é manter as competições que tradicionalmente garantem pódios e prospectar novas oportunidades.

O Brasil, bronze no torneio de saltos por equipes em Atlanta-1996 e Sydney-2000, ainda conta com o ouro de Rodrigo Pessoa em Atenas-2004, mas desde então não voltou ao pódio no hipismo. Impulsionada por um acordo de cerca de R$ 6,5 milhões com o Ministério do Esporte, a modalidade conta com nomes como Pessoa e Doda Miranda para medalhar.

Ainda no começo do ciclo, levando em conta a tradição do Brasil e o panorama atual em cada esporte, o COB dividiu todas as modalidades olímpicas em quatro grupos: vitais, potenciais, contribuintes e legado. Marcos Vinícius Freire, superintendente executivo da entidade, aposta alto nos cavaleiros.

“Os esportes que consideramos vitais são os que temos um histórico positivo e um desenho de futuro com grandes possibilidades. A competição de saltos do hipismo está nesse grupo. Em função da história e do ranking individual dos integrantes da equipe”, disse Freire.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Marcus Vinícius Freire, superintendente executivo do COB, considera fundamental medalhar no hipismo em 2016
Nos Jogos Olímpicos de Londres, o Brasil conquistou três ouros, cinco pratas e nove bronzes, totalizando 17 medalhas, um recorde do País na história da competição. Desta forma, o time nacional terminou na 22ª colocação geral e no 14º posto apenas pelo número de pódios.

Para alcançar a meta de ficar no top 10 pelo total de medalhas no Rio de Janeiro, o COB estima precisar de aproximadamente 25 pódios. Em Londres, Itália (oito ouros, nove pratas e 11 bronzes) e Coreia do Sul (13 ouros, oito pratas e sete bronzes), com 28 condecorações, dividiram a posição.

Na última edição dos Jogos, o Brasil conquistou medalhas em nove modalidades: vôlei de praia, boxe, futebol, judô, vela, natação, vôlei de quadra, ginástica artística e pentatlo moderno. Nos dois últimos esportes, os pódios de Arthur Zanetti e Yane Marques foram inéditos.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade