Futebol/Campeonato Paulista - ( )

Após trabalhar nos bastidores, Nobre cobra volta do "sangue na veia"

William Correia e Bruno Grossi * São Paulo (SP)

Paulo Nobre concluiu nessa segunda-feira uma sequência de trabalho de bastidores em prol do Palmeiras, conseguindo o tempo de descanso que o time precisava ao adiar o jogo contra o Tijuana para a próxima terça-feira e antecipando o duelo contra o Santos, pelo Paulista, para sábado. Até treino em gramado artificial, pensando na Libertadores, foi marcado. Agora, o presidente exige a garra que a equipe não mostrou nas duas últimas derrotas.

“Da nossa parte, cabia viabilizar um campo sintético para treinar e tentar fazer as alterações de data para ficar possível nossa vida nas duas competições. Agora a comissão técnica está fazendo a parte dela também”, disse o dirigente, confiando em Gilson Kleina, mas em um recado firme aos atletas. “Com certeza a pegada não foi a mesma dos outros cinco jogos que antecederam a essas duas derrotas. Pode ter acontecido um relaxamento natural.”

Nobre amenize suas palavras com o termo “natural”, até porque sabe que a força desse elenco está em seu empenho em campo. Além disso, a resposta à humilhante derrota por 6 a 2 para o Mirassol veio já nos cinco jogos seguintes, com vitórias que culminaram em classificações antecipadas tanto na Libertadores quanto no Paulista.

Mas o dirigente já avisou que o Verdão não pode se contentar com o que já atingiu, mesmo tendo a Série B do Brasileiro como prioridade. “Acredito que agora, contra o Santos, o Palmeiras volte a apresentar aquele sangue na veia que vem sendo a nossa marca registrada na temporada”, apostou Nobre.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Presidente marcou os jogos como time queria e agendou treino em campo sintético: é hora da resposta
Das duas últimas derrotas, a que Nobre menos se conforma é a ocorrida diante do Ituano, nesse domingo. “Tínhamos adversários que atuavam o jogo da vida para não cair. Mas até disse aos jogadores: ‘pode ser o jogo da vida de qualquer time, precisamos ter a mesma seriedade e pegada, seja o jogo que for’”, comentou.

Em relação ao 1 a 0 a favor do Sporting Cristal, já eliminado, na quinta-feira, o dirigente vê injustiça. “O jogo no Peru foi contra um time totalmente descomprometido e temos que dar valor ao chute que o jogador acertou, forte e no ângulo. Fora isso, eles não tiveram chance de marcar e o Palmeiras, infelizmente, não concluiu as oportunidades que teve. A vitória do Palmeiras seria um resultado natural, mas futebol não é xadrez e, às vezes, acontecem resultados que vão contra o que vemos em campo.”

Agora, a análise de conformismo não se repetirá. O elenco e a comissão técnica pediram o adiamento do primeiro jogo contra o Tijuana, antes anunciado para esta quinta-feira, e o duelo foi repassado para terça-feira. Foi solicitado um treino em campo sintético, como o Palmeiras encontrará no México, e já está marcado um treino no Nacional, em frente à Academia de Futebol, nesta quarta-feira.

No Campeonato Paulista, Nobre foi até o limite dos pedidos à Federação Paulista de Futebol e conseguiu que o confronto diante do Santos, na Vila Belmiro, único clássico das quartas de final do Estadual, ocorresse no sábado, dando tempo à delegação de viajar ao México no domingo. Resta aos jogadores mostrarem que todo o esforço nos bastidores valeu a pena.

*especial para a GE.net

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade