Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Com nomes na história do Guarani, Luizão e Evair lamentam queda

Yan Resende, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

“Muda-se de mulher, de religião, muda-se tudo, mas o amor pelo time não muda, não. Que o torcedor do Guarani continue apoiando, pois tudo isso vai passar”. Este foi o recado do ex-centroavante Evair, em conversa com a GazetaEsportiva.Net à toda torcida bugrina, de quem foi ídolo durante sua passagem pelo time campineiro, diante de mais uma situação complicada do clube: o nono rebaixamento em 12 anos.

Campeão Brasileiro de 1978, o Guarani amarga mais um momento vexatório em sua história. Depois de voltar à elite do futebol paulista em 2011, conquistar o vice-campeonato na temporada passada, o clube é rebaixado mais uma vez. As seguidas más administrações transformaram aquele “Gigante do Interior” em um clube que busca meios para se manter vivo no futebol brasileiro.

Presente na decisão do Campeonato Brasileiro de 1986, na qual o clube campineiro foi derrotado pelo São Paulo nos pênaltis, Evair lamentou a atual situação e com muito pesar afirmou: “Não tem sido dado o valor que o Guarani merece.” Em relação às últimas administrações, o “matador” também afirmou: “não tem como negar isso, são muitos erros, com muita frequência, todos os anos. É muita coisa errada sendo feita.”

Ao ver seu time em campo neste Campeonato Paulista, o bugrino nostálgico se lembrou de Evair a cada erro do setor ofensivo, lamentou a falta daquela revelação que saiu do Brinco de Ouro para brilhar no cenário nacional. E o caso do atacante que também marcou a história do Palmeiras não é isolado, assim como Evair, Amoroso, Neto, Careca, Djaminha, Luizão, Zenon, entre outros, seguiram o mesmo caminho.

Acervo/Gazeta Press
Luizão, Djalminha e Amoroso foram as últimas grandes revelações criadas no Brinco de Ouro nos anos 1990
Revelado pelo Guarani em 1992, o também atacante Luizão não escondeu a tristeza ao saber que seu clube da juventude era novamente rebaixado. Em conversa por telefone com a reportagem da GE.Net, o ex-jogador até mesmo perguntou novamente os resultados da rodada para ter a certeza de que o Bugre estava na Série A2. “O sentimento é de muita tristeza”.

Ao admitir um carinho especial pelo clube campineiro, Luizão afirmou que a atual situação do Guarani é muito complicada. Sua última visita ao Brinco de Ouro da Princesa não deixou boas recordações ao atacante. “Gosto muito do clube, quando eu fui lá, há pouco tempo, vi toda a situação. Está horrível”, concluiu.

Aquele Guarani vivido por Evair e Luizão não é o mesmo clube que tenta honrar a tradição daquela camisa verde. Com uma dívida sem fim, um elenco fraco, um clube mal estruturado, o torcedor amarga mais um rebaixamento, vivendo a nostalgia de um dia ter de volta, no gramado do Brinco de Ouro, jogadores que encantaram o Brasil.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade