Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Dirigente da Ponte nega conversas com Tricolor por Cléber e Cicinho

Campinas (SP)

Ainda lamentando a eliminação para o Corinthians nas quartas de final do Campeonato Paulista, a Ponte Preta agora tem de encarar o interesse de outros clubes por seus jogadores. Principais destaques da equipe desde o ano passado, o zagueiro Cléber e o versátil Cicinho são alvos do São Paulo, mas a diretoria da Macaca nega que tenha aberto negociações.

Os são-paulinos fizeram uma proposta oficial para contar com a dupla, mas os campineiros recusaram o formato oferecido. A intenção inicial do Tricolor era incluir jogadores sem espaço no elenco na negociação, ponto que desagradou os ponte-pretanos.

Nesta terça-feira, no entanto, o executivo de futebol da Maca, Ocimar Bolicenho, negou qualquer contato com o time do Morumbi. O dirigente lembrou que o presidente Márcio Della Volpe se encontrou recentemente com o diretor de futebol do São Paulo, Adalberto Baptista, e que nada foi tratado sobre Cléber e Cicinho desembarcarem na capital.

“Não tem absolutamente nada. Quero até ressaltar o fato que na segunda-feira participamos de todo o Conselho Arbitral na FPF (Federação Paulista de Futebol), o Adalberto sentou do lado do presidente Márcio Della Volpe e em momento algum foi falado nome de nenhum atleta da Ponte Preta para negociação”, garantiu Bocilenho.

Sem admitir nenhum contato oficial por jogadores da Macaca, o executivo de futebol apenas revelou conversas informais de empresários e aproveitou para garantir a permanência de outros dois ídolos da torcida. Consciente do assédio da outras equipes, Bolicenho afirmou que a Ponte fará de tudo para manter o meia peruano Cachito Ramírez e o centroavante William.

Divulgação/A. A. Ponte Preta
Ocimar Bolicenho conversou com a imprensa nesta terça-feira e prometeu manter o elenco da Macaca
“O empréstimo (com o Corinthians) do Ramirez á até 31 de dezembro. Ele é um dos principais jogadores da equipe e não sai até o final do ano, porque isso não nos interessa. Quanto ao William não há absolutamente nada, não recebemos nada de nenhum clube e nem nos interessa liberá-lo”, declarou o dirigente.

Esperando o fim dos estaduais para fechar a contratação de cinco jogadores, a Ponte resolveu seguir apostando em Guto Ferreira. A eliminação em casa para o Corinthians, no entanto, deixou o treinador em xeque, precisando recolocar a equipe no caminho das vitórias para recuperar a confiança da diretoria.

“É natural que haja descontentamento, porque tínhamos um sonho de chegar às finais. Amanhã pode ser que se tome a decisão de que ele não fique ou ele mesmo tome a decisão de ir embora. Então como é que eu posso garantir o treinador? O jogador tem contrato para manter, mas o treinador depende muito da vontade da diretoria e da vontade do treinador. Neste momento não temos nenhuma tratativa com outros treinadores, não tem nenhuma outra decisão neste momento que não seja da manutenção do grupo”, sentenciou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade