Futebol/Amistoso - ( - Atualizado )

“Esquecido” pela FBF, pai de Kevin não deve ir a amistoso com Brasil

Bruno Ceccon, Enviado Especial Cochabamba (Bolívia)

Limbert Beltrán, pai de Kevin, atingido por um sinalizador de forma fatal no jogo entre San José e Corinthians, não deve viajar a Santa Cruz para acompanhar o amistoso da seleção local contra o Brasil, programado para sábado. Ironicamente, ele se disse esquecido pela Federação Boliviana de Futebol (FBF), organizadora do confronto.

"A FBF não se comunicou até o momento”, afirmou Beltrán à Gazeta Esportiva.net no começo da madrugada desta sexta-feira em contato por e-mail. “Parece que ficaram incomodados com o meu pedido de transparência e esqueceram do convite. Mesmo se fizerem de última hora, não pretendo ir”, declarou.

José Maria Marin, presidente da CBF, anunciou que a renda do amistoso em Santa Cruz seria doada aos parentes de Kevin. Insatisfeita, a FBF, dirigida por Carlos Chavez, protestou e chegou a um acordo com a entidade brasileira. Assim, ficará com o total arrecadado e terá o poder de decidir o percentual a ser repassado à família Beltrán.

Os campeões do Sul-americano de 1963, maior título da história do futebol boliviano, também esperam receber parte da renda do amistoso diante do Brasil. Em encontro com a reportagem na tarde de quinta-feira, o pai de Kevin já havia manifestado seu descontentamento com a situação.

"O que me preocupa é que se mercantilize o nome do meu filho. O tema não é tanto econômico, mas sim uma questão de família. Não gostamos que manipulem o nome do Kevin”, afirmara o pai do garoto durante encontro com a GE.net na cidade de Cochabamba.

Fernando Dantas/Gazeta Press
José Maria Marin, presidente da CBF, havia dito que toda a renda do jogo seria destinada à família de Kevin

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade