Futebol/Campeonato Paulista - ( - Atualizado )

Fabrício concorda com pressão da torcida: “A gente canta junto”

Gabriel Carneiro, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Enquanto a torcida do São Paulo gritava pedindo raça e lembrando que quarta-feira a equipe vive rodada decisiva da Copa Libertadores, os jogadores tentavam, em vão, superar a defesa do XV de Piracicaba em partida válida pela penúltima rodada do Campeonato Paulista. Consolidada a derrota por 1 a 0 em pleno estádio do Morumbi, o volante Fabrício evitou criticar a pressão da torcida e ainda garantiu que o espírito dos jogadores não é diferente a quatro dias do confronto diante do Atlético-MG.

“Para nós também tem isso de que ‘é quarta-feira’, a gente canta junto com eles. A gente está bem ansioso para chegar logo esse jogo, não adianta fugir do problema, porque tem que matar no peito e sair jogando”, declarou o volante, em busca de um espaço no time titular, antes de completar: “Quem não tiver essa raça que eles pedem, essa alma, com certeza não estaria aqui no São Paulo. Jogadores, torcida, imprensa, diretoria, todos cobram. Agora é só colocar em campo na quarta-feira”.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Volante Fabrício está ansioso para o jogo de quarta e aceita a pressão para o confronto da Libertadores
Mesmo derrotado pelo XV de Piracicaba, o Tricolor já está garantido nas quartas de final do Campeonato Paulista em primeiro lugar, aguardando apenas para cumprir tabela na última rodada e conhecer o adversário no mata-mata. Na Copa Libertadores, no entanto, a situação é diferente: são apenas quatro pontos somados em cinco partidas, correndo o risco de ser eliminado na primeira fase em caso de derrota contra o Atlético-MG. O Tricolor ainda depende de uma combinação de resultados na partida entre Arsenal de Sarandí e The Strongest, também na quarta-feira.

“Pela história que o nosso time tem de ser tricampeão da Libertadores e do Mundial, não é surpresa nenhuma se a gente classificar. Um time que está jogando mal pode encaixar, fazer todo o possível e conseguir. Em 2011, pelo Cruzeiro, o Atlético-MG estava quase chegando na Libertadores, estava bem, mas fomos lá e enfiamos seis nos caras. Agora é alma, coração, dar o máximo. Tem que dar tudo, porque só assim o homem lá de cima compensa”, refletiu Fabrício, otimista pela vaga nas oitavas de final.

Se a boa atuação de Fabrício diante do XV de Piracicaba pode render uma chance no time titular para quarta-feira, a mudança só será confirmada momentos antes de a bola rolar no Morumbi. Nesta segunda e terça-feira o Tricolor fará treinamentos fechados no CT da Barra Funda, abrindo os portões apenas para entrevistas.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade