Futebol/Bastidores - ( )

Gobbi pede ‘dieta da grama’ para time vencer Paulista e Libertadores

William Correia e Bruno Grossi * São Paulo (SP)

Em 2012, o Corinthians caiu para a Ponte Preta nas quartas de final do Campeonato Paulista e superou o Boca Juniors na final da Copa Libertadores da América. Em 2013, a Macaca surgiu no caminho do Timão na mesma fase do Estadual, enquanto os argentinos resolveram aparecer logo nas oitavas de final do torneio internacional.

E justamente por conhecer bem os adversários das próximas semanas, o presidente Mário Gobbi se mostra preocupado com a sequência do time comandado por Tite. O mandatário aproveita até mesmo para sugerir estratégias para o Alvinegro do Parque São Jorge superar os rivais.

“Temos a Ponte em Campinas, o Boca, o ‘senhor Libertadores’, na Bombonera. A fase é de mata-mata, não vem nada fácil. Tem que trabalhar muito para chegar na hora do jogo e render o máximo de cada um. Só se ganha dessa forma. São jogos de times grandes, aquele que errar menos vai levar. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Os dois são terríveis”, analisou Gobbi, sem eleger o adversário mais temido.

O presidente se empolgou com o clima das decisões e passou um recado aos jogadores para que não falte empenho e dedicação contra Ponte Preta e Boca Juniors. Repetir a fórmula do ano passado, segundo Gobbi, é a única maneira de faturar os títulos do Paulistão e da Libertadores no primeiro semestre.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Gobbi fez declarações fortes para motivar o elenco do Corinthians em busca dos primeiros títulos desta temporada
“Não é hora de errar. É hora de ver detalhes. É hora de jejuar. É hora de sacrifício. Hora de suportar a dor. Hora de comer grama. É isso que nós queremos: humildade e trabalho. O grupo é bom, confio neles, que são grande homens. Montamos um grupo que dá um suporte para seguir nas duas competições, não há porque largar um e ficar com outro. Vamos jogar pra ganhar os dois”, sentenciou.

Embora deseje o bicampeonato da Libertadores, Gobbi revelou um sonho íntimo para 2013. O presidente do Corinthians quer escrever o nome mais uma vez na história e conquistar o Campeonato Paulista: “Quando fui diretor de futebol, fomos campeões invictos em 2009. Como presidente ainda não ganhei. Quero muito ser campeão. É um título charmoso, romântico e que eu curto muito”.

*especial para GE.net

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade