Futebol/Copa Libertadores da América - ( - Atualizado )

Grêmio tenta superar mau retrospecto contra chilenos na Libertadores

Do correspondente Vicente Fonseca Porto Alegre (RS)

Dependendo de ao menos um empate diante do Huachipato para seguir vivo na Libertadores, o Grêmio busca, nesta quinta-feira, além de sua classificação, melhorar um retrospecto que é negativo diante de equipes chilenas no principal torneio do continente. Em cinco partidas até hoje contra adversários do Chile, o Tricolor só venceu uma vez, empatou outra e perdeu três jogos.

A primeira partida do Grêmio contra um time chileno do Grêmio na Libertadores ocorreu em 2009: o Tricolor ficou no 0 a 0 com a Universidad de Chile no Olímpico e venceu por 2 a 0 em Santiago. Dois anos depois, o time treinado por Renato Gaúcho cairia nas oitavas de final para a Universidad Católica com duas derrotas: 2 a 1 em casa e 1 a 0 fora. Na atual Libertadores, o Grêmio perdeu para o Huachipato, na Arena, por 2 a 1.

Se o retrospecto for ampliado para as demais competições sul-americanas, há um extremo equilíbrio. O Grêmio enfrentou a Universidad Católica pela extinta Copa Mercosul de 1998, ganhando por 5 a 1 em Porto Alegre e empatando em 1 a 1 no Chile. Três anos depois, pela mesma competição, o Grêmio venceu a Universidad de Chile por 2 a 0 no Olímpico e empatou em Santiago por 1 a 1. Ao todo, em nove jogos contra times chilenos, foram três vitórias do Grêmio, três empates e três derrotas.

O Huachipato, por sua vez, tem apresentado graves problemas para atuar em casa. Até o momento, em oito jogos disputados no Estádio CAP em 2013, o atual campeão chileno venceu somente um, e perdeu nada menos que seis vezes – três delas por mais de um gol de diferença. Nesta Libertadores, levou 3 a 1 do Caracas e 2 a 1 do Fluminense em Talcahuano. Fora de casa, obteve quatro vitórias em sete partidas na atual temporada.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade